3 Motivos Pelos Quais Não Podemos Esquecer Do Ambientalismo Na Nossa Luta Por Justiça Social

Texto publicado originalmente no Everyday Feminism e traduzido com autorização para o Modefica.

Ambientalismo, até no nome, é um assunto esmagador. O conceito parece referir-se a uma enorme variedade de temas – tudo, desde a qualidade do ar aos oceanos profundos, à sobrevivência de minúsculas bactérias, às políticas públicas de construção sustentável a proibições de produtos – em sua própria casa, mas também literalmente em qualquer outro lugar do mundo.

Não só isso, mas ambientalismo também é desafiador e desanimador: você luta para investir fundos para que alunos do ensino fundamental em sua cidade aprendam sobre a reutilização de plásticos, mas depois descobre sobre cidades inteiras que não têm programas de reciclagem residencial. Você trabalha para a aprovação de uma ordem judicial que impedirá parte de uma floresta de ser devastada, mas logo depois você aprende sobre o desmatamento causado para produção de óleo de palma pela indústria alimentícia.

Eu tenho lutado com a desesperança e ansiedade de não saber por onde começar a combater as mudanças climáticas e os danos ecológicos por um longo tempo. Mas, nos últimos anos, aprendi muito e tenho consciência de como os esforços ambientais provenientes do Ocidente podem ser uma força preocupante em comunidades ao redor do mundo.

Publicidade

Muitas vezes, esforços bem-intencionados de enviar voluntários ou trabalhadores dos Estados Unidos para outros países acabam fazendo mais mal do que bem e replicam os padrões de poder na história da colonização. E onde eu moro, muitas das vanguardas ambientais são lideradas por uma classe privilegiada de pessoas.

Claro que estou feliz por ter essas pessoas a bordo no projeto de não destruir o planeta – todos devem ser uma parte desse esforço global. No entanto, quando as questões de sustentabilidade que muitas vezes dominam a discussão parecem estar focadas em amenizar os enigmas morais dos compradores brancos e de classe média alta do Whole Foods [famosa rede de mercados nos EUA por vender produtos mais saudáveis e orgânicos] mais do que na prevenção da poluição das águas potáveis das comunidades indígenas rurais, então temos um problema.

Nossos problemas climáticos globais não serão resolvidos por pessoas privilegiadas indo trabalhar de bicicleta ou levando suas compras em sacolas de pano. Não que essas atitudes não sejam significativas – mas temos de perceber que os problemas ambientais são interseccionais. E para começar a trabalhar em direção a um futuro onde poderemos beber água e respirar ar na terra, temos que cavar mais fundo.

Precisamos olhar para catástrofes e conflitos ambientais através das lentes de raça, capitalismo, gênero, colonização e outras formas de poder institucional

Precisamos olhar para catástrofes e conflitos ambientais através das lentes de raça, capitalismo, gênero, colonização e outras formas de poder institucional. E eu sei – tenho certeza que parece desafiador e desanimador também. Mas temos que começar por algum lugar.

Estou escrevendo este artigo porque quero que você comece a prestar atenção às políticas ambientais locais, ativistas e leis onde quer que você viva. Eu vivo em Oregon, no oeste dos Estados Unidos, então meu foco ambiental está muitas vezes em questões como vendas de madeira, reintrodução de predadores e pastoreio de gado. Minha perspectiva vai refletir isso porque eu acho que é importante falar de onde você está, e lutar para melhorar o lugar que você chama de lar.

Se você estiver nos Estados Unidos, encorajo-o a examinar as medidas e os legisladores nas votações em seu distrito nas próximas eleições, mesmo que você ainda não tenha idade para votar ou tenha tido o direito de votar tirado de você.

Existe a possibilidade de um novo imposto sobre o carbono? Um senador para reeleição que quer se concentrar em reduzir as emissões? Saiba mais sobre os problemas locais e leia sobre eles criticamente antes de desenvolver uma postura. Como essas leis ou as decisões futuras desses políticos afetarão as pessoas mais vulneráveis ​​em seu estado ou comunidade? Depois, após a votação, não pare.

Comece a prestar atenção às políticas ambientais locais, ativistas e leis onde quer que você viva

Encontre uma organização lutando pelas questões ambientais que mais o inflamam e se torne voluntário ou compareça em um comício. Se você começar a perceber que ninguém está realmente falando sobre como as questões ambientais se cruzam com raça, gênero e classe, comece a apontar o problema, ou fazer perguntas, ou propor projetos sobre esses temas.

Cada um dos conceitos que eu estou prestes a falar sobre é uma questão gigante e infinitamente complicada por si só, e há muito mais para discutir. Mas este esboço básico pode ser um ponto de partida para ajudá-lo a começar a pensar sobre essas relações – e então começar a aplicar um novo rigor ao seu ativismo em sua própria comunidade.

1. A História da Colonização Molda Nosso Mundo

É fácil pensar sobre o “ambiente” da maneira como aprendemos a pensar sobre ele: como algo composto de coisas não-humanas que formam o mundo “natural”: rios! oceanos! florestas tropicais! Mas se pressionarmos um pouco, as linhas entre o mundo “humano” e o reino da natureza começam a se desvanecer.

Ao pensarmos na história com isso em mente, começaremos a enxergar que os movimentos e as sociedades realmente desenvolveram a forma da paisagem e do ambiente em que vivemos agora. E a colonização européia desempenhou um papel enorme na formação do nosso ambiente atual – e como falamos sobre ele e o enxergamos

Publicidade

Pense em como parece natural ter fronteiras entre países, estados ou territórios dividindo a verdadeira terra sobre a qual todos nos movemos, e em todos os séculos de decisões e lutas complicadas que convergiram para construir esse mundo. E então, pense em todas as fronteiras entre florestas nacionais ou florestas estaduais ou terras de madeira ou fazendas privadas.

Onde moro, no oeste dos Estados Unidos, crescemos aprendendo sobre a história de nosso país como a história do Destino Manifesto [1]: pioneiros corajosos lutaram e esculpiram seu caminho através de um deserto vasto e vazio, inventando a civilização a cada passo. Nós tendemos a censurar e ativamente apagar as civilizações que já existiam aqui antes disso. E tendemos a simplesmente renomear a colonização como “pioneira”, glorificando e estimulando sua violência e violações.

Os colonos europeus-americanos que levaram a cabo a luta lenta do imperialismo fizeram-no em grande parte elaborando ideias novas sobre o que significou possuir a terra. Estabelecer cercas, eleger governos geograficamente baseados que dependiam de fronteiras, criar gado e ovelhas em grande número, além de colheitas privadas para uso comercial, alterando fundamentalmente a forma como os seres humanos que viviam aqui cooperavam, e entraram em conflito com o resto dos ecossistemas.

Florestas devastadas para mineração de carvão levantam a questão: quem decidiu que as terras comum do planeta devem ser usadas dessa maneira? 
 

Isso nos deixa em um estado atual de conflitos aparentemente eternos entre as necessidades das cidades, as comunidades agrárias e as questões ambientais que se arrastam para fora das bordas das florestas. Nossa história de colonização criou o mundo e os conflitos com os quais vivemos agora. Isso significa que as lutas que temos sobre as questões em torno de terras estão intrinsecamente ligadas à luta histórica para deserdar a terra dos povos indígenas.

Quando pensamos em como queremos parar o corte de florestas antigas ou proclamar um monumento nacional ou alterar leis que deixam o gado pastar nas nossas florestas tropicais, precisamos ampliar nossa perspectiva. Temos que perceber que nossas instituições e sistemas de gestão de terras não foram construídos para coexistir com predadores, povos indígenas, ou qualquer coisa e qualquer pessoa exceto as classes dominantes de um patriarcado capitalista de supremacia branca.

Portanto, se quisermos impedir o mundo de implodir em pilhas de lixo plástico e hemorragias de poços de petróleo, temos de estar dispostos a falar sobre nossas questões ambientais como questões de justiça social – e também devemos aceitar o fato de que vamos ter que mudar algumas coisas realmente grandes para alterar o rumo das coisas.

2. Meio-Ambiente é Construído Por Meio da Linguagem

Nos primórdios do movimento ambiental no final do século 19 e início do século 20, pessoas como John Muir e Theodore Roosevelt fizeram um trabalho incrível para preservar e proteger vastas extensões de terra. Mas a retórica romântica do “meio selvagem” – aqueles lugares sagrados e distantes que de repente eram essenciais ao caráter americano e simultaneamente estavam sofrendo terríveis ameaças de desaparecer – muitas vezes depende de palavras com muita bagagem.

A ideia de que deveríamos parar de arrasar indiscriminadamente cada floresta para transforma-las em combustível de fábricas não era, é claro, uma coisa ruim. Mas a contínua apresentação dos “desertos” como lugares intocados pela “civilização”, contendo segredos primitivos e acesso especial a conhecimentos primitivos e antigos, faz parte da enorme ideia cultural de que a “sociedade”, a “civilização” e o “povo” são palavras que na verdade só se referem aos brancos.

Os movimentos e as sociedades realmente desenvolveram a forma da paisagem e do ambiente em que vivemos agora. E a colonização européia desempenhou um papel enorme na formação do nosso ambiente atual

Agir como se “a natureza” fosse algo necessariamente “intocado” por pessoas promove o mito fantástico de que o “novo mundo” era apenas um grande, velho e vazio deserto à espera de ser descoberto por europeus sofisticados no século XVI. Além disso, você não vai conseguir ir muito longe dentro de uma loja de presentes do parque nacional ou um livro de citações inspiradoras sobre a natureza sem dar de encontro com palavras como “virgem” e “puro”.

Essas frases não só se encaixam no mito do vazio que desumaniza os povos indígenas, mas também associam o deserto americano com mitos e construções da feminilidade americana. Generificar a paisagem como um receptáculo passivo para a penetração e conquista masculinas não ajuda as mulheres.

Indo adiante, devemos trabalhar para desembaraçar os esforços de conservação da linguagem que se baseia em binários de gênero e desequilíbrios de poder para ganhar força. E não devemos continuar insistindo na ideia de que os únicos tipos de natureza magníficos, poderosos e significativos são aqueles que estão escondidos e distantes, onde apenas certas pessoas têm a capacidade de ir.

3. ‘Classe’ Impacta Nossa Relação com o Meio-Ambiente

Como escrevi acima, a história do uso da terra nos Estados Unidos é uma história de imperialismo e colonização de colonos. Esse processo de privatização de terras criou um mundo no qual pessoas que já possuem terra influenciam como os governos decidem e regulam o uso e a política da terra.

As pessoas que não possuem terra, e que têm pouco poder de capital em outros lugares também, não têm esse tipo de influência sobre o uso dessa terra. E, no entanto, eles (nós) ainda devem viver no mesmo mundo dos ecossistemas, onde as mudanças proliferam muito além das fronteiras e cercas.

O sistema de terras públicas nos Estados Unidos – composto de florestas, parques, áreas selvagens e outros lugares com uma complicada ladainha de designações e regras – supostamente serve para nos proteger deste tipo de privação de direitos. Mas essas terras públicas são continuamente disputadas, debatidas e usadas como barganha.

Publicidade

Movimentos políticos recentes começaram a usar a própria ideia de terras públicas como uma questão de galvanização para o novo “direito alternativo”, e eu me preocupo que um dos maiores ativos sociais para o potencial progressivo da América – a nossa participação na terra pública – está em risco.

Quem é dono da terra muitas vezes detém a palavra final sobre o que pode ser feito com a terra – e isso não é justo. Especialmente porque o que fazemos com a terra muitas vezes envolve a industrialização prejudicial e a poluição, que, por sua vez, acabam prejudicando pessoas que já estão lidando com fardos sociais desproporcionais.

Por exemplo, mulheres em lugares rurais ou mulheres de baixa renda muitas vezes enfrentam o peso dos custos da poluição e falta de escolhas sustentáveis. No entanto, por vezes, algumas políticas que parecem realmente simples e diretas, como proibições de sacos de plástico, podem acabar colocando ainda mais pressão sobre a vida diária de alguém tentando obter mantimentos em seu caminho do trabalho para casa em uma exaustiva viagem de ônibus.

É claro que, em muitas comunidades, ativistas e formuladores de políticas criaram muitas soluções para compensar esses custos e pressões desbalanceadas. Mas ainda é importante tentar pensar nessas perspectivas quando você imagina como as políticas ambientais devem ser – especialmente porque as pessoas que geralmente estão projetando, criando e aplicando essas leis e políticas já estão operando a partir de posições consideráveis de poder e privilégio.

Nos últimos anos, no Oregon, tem havido cada vez mais tensão nas relações entre as pessoas que estão lutando para viver e trabalhar em lugares rurais, mas se sentem subrepresentadas no governo e economicamente destituídas de poder. Esses sentimentos são então explorados por medidas e eleições que exigem que esses eleitores escolham entre o financiamento das escolas públicas e a preservação da floresta, ou bons ecossistemas e a capacidade da família de não se afundar em seus problemas financeiros.

Quem é dono da terra muitas vezes detém a palavra final sobre o que pode ser feito com a terra - e isso não é justo. Especialmente porque o que fazemos com a terra muitas vezes envolve a industrialização prejudicial e a poluição

Impor decisões redutoras e nocivas como essas leva a uma falsa rixa entre pessoas que são capazes de se identificar como ambientalistas – a elite urbana liberal, supostamente – e aqueles que realmente vivem fora dos sistemas de apoio das cidades.

Divisões políticas desnecessárias não ajudam nenhum de nós na nossa luta por um futuro viável e sustentável. E não podemos forçar as pessoas marginalizadas a fazer escolhas entre a venda de terras públicas e o financiamento dos programas sociais necessários para a sobrevivência.

Essas divisões não são intransponíveis. O primeiro passo é percebermos que os desejos dos ambientalistas não se opõem aos desejos dos defensores do trabalho, dos movimentos anti-racistas, dos trabalhadores rurais e das famílias. E se queremos estar do mesmo lado, precisamos agir de acordo.

O que inicialmente parecem ser conflitos ambientais básicos, na verdade, gira em torno de propriedade de terra, poder capital e séculos de violência. Sem fazer um trabalho sério para começar a desaprender os princípios do capitalismo que simultaneamente dependem da desigualdade e encorajam a exploração, extração e destruição, não estaremos realmente enfrentando nossas principais crises climáticas e ecológicas.

É difícil e esmagador, é claro, mas uma vez que começamos a olhar para as interseções de degradação ambiental e outros sistemas de opressão, eu acho que é possível começar a ver mais interessantes e emocionantes soluções que podem sustentar, capacitar e elevar todas as pessoas, juntamente com o solo e a terra nos quais eles vivem suas vidas.

Notas de rodapé:

[1] A doutrina do Destino Manifesto é uma filosofia que surgiu durante a década de 1840 e que foi amplamente divulgada e utilizada até meados de 1880. Criada pelos Estados Unidos, a doutrina do Destino Manifesto expressava a crença do povo norte-americano de que este havia sido eleito por Deus para comandar o mundo.

 

Esse texto foi escrito por Kimberly Fanshier para o Everyday Feminism e traduzido com autorização para o Modefica. Kimberly Fanshier é uma escritora, ativista, estudiosa e feminista queer americana. Ela atualmente está trabalhando em um livro sobre as histórias escondidas da música country. Siga as explorações de Kimberly Fanshier sobre lobos, bruxas e o oeste americano em @kimberlyfanshier.

Gostou dessa matéria? Compartilhe.
Tags

. .

  • Nossa! Que texto lindo! Quase chorei! É basicamente o que eu quero alcançar com o meu blog. Mas estou dando passos ínfimos perto do que você disse. Acredito que preconceitos raciais e de gênero devem ser combatidos e devemos sempre bater nas mesmas teclas pra trabalharmos juntos em prol do ambiente. Na minha cidade o grande problema é a questão das enchentes que acabam acontecendo não só pelo acúmulo de lixo em locais indevidos como também construções em locais também indevidos. Acredito que devemos lutar pela reorganização da cidade de forma que ela possa ser cuidada de forma circular e que todos possam fazer suas partes. Não acredito em esperar que o governo faça por nós mas também acredito que não vale a pena desanimar pelos problemas que você citou no início do texto de que cada mudança, trás também a notícia ruim de algum oleoduto que destruiu o ecossistema. Enfim, são muitas ideias pra colocar em apenas um comentário. Acredito que está tudo conectado, não só o que é referente a natureza ou justiça social ou política. Precisamos entender que cada parte faz parte de um todo muito maior e que precisa da nossa força pra lutar.