Uma Volta Pelo MUMO, o Primeiro Museu de Moda Brasileiro

Belo Horizonte é conhecida por seus saberes artesanais e por uma cena de moda bastante efervescente. Por isso, carrega o título de “Capital da Moda”, decretado pelo Prefeito Márcio Lacerda em 2012. Não é de se espantar então que o primeiro museu público destinado ao universo fashion no Brasil tenha a capital mineira como abrigo. O MUMO – Museu da Moda de Belo Horizonte, que completa um ano hoje (06/12), é uma iniciativa da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte por meio da Fundação Municipal de Cultura – FMC. Localizado no popularmente conhecido “castelinho da Rua da Bahia” – o edifício icônico de arquitetura neogótica da capital mineira -, o Mumo ocupa o espaço antes destinado ao Centro de Referência da Moda, o CRModa, e, antes disso, ao CCBB – Centro de Cultura de Belo Horizonte.

O Mumo já integra o catálogo do Instituto Brasileiro de Museus e, por isso, começou a fazer história com uma programação de moda divulgada nacional e internacionalmente. Desde dezembro de 2016, quando abriu suas portas para ser um local de pesquisa, conhecimento e discussões construtivas, muitos capítulos começaram a ser escritos lá, tendo a liberdade, a criatividade, a sustentabilidade, a colaboração e o livre acesso à moda como essência. O museu mantém também algumas das atividades que eram realizadas pela iniciativa também pioneira CRModa, como as temporadas de oficina de moda e design e o Ciclo de Cinema e Moda.

 

Memória de Moda Preservada

Com acervo próprio, o Mumo tem como um de seus principais objetivos preservar a memória que a moda carrega consigo dentro da história mineira e brasileira, através de peças que têm muito o que contar. O projeto de transformar o CRModa em Mumo teve início quando o Museu Histórico Abílio Barreto começou a catalogar peças de vestuário de vários períodos históricos de BH.

Quando inaugurou, o museu possuía um acervo com mais de mil peças dos primeiros moradores do período compreendido entre o século 19, quando a cidade foi fundada, até o final da década de 1980. E o museu continua aceitando doações de peças, que são avaliadas por um comitê especial antes de figurarem no acervo. Assim o Mumo quer ampliar a memória do efêmero, ímpar por sua capacidade de nos revelar mais sobre as sociedade e as culturas.

Publicidade

A exposição de inauguração foi “33 voltas em torno da Terra: Memória da Indústria Têxtil em Minas Gerais”, que, a partir do questionamento de quantas voltas ao redor do planeta eram necessárias para uma indústria produzir 168 milhões de metros quadrados de tecido por ano de forma sustentável, tinha o desafio de traçar um olhar sobre a memória e as experiências dos criadores contemporâneos, abordando as composições da indústria têxtil do estado. O tecido, mais precisamente o algodão e a tecelagem plana, base de sustentação da indústria mineira, foi observado dentro de perspectivas econômicas, sociais e culturais.

Depois disso, o museu foi palco para a Semana de Moda Franco-Mineira, evento criado pela Aliança Francesa de Belo Horizonte para destacar as relações entre os códigos de vestimentas do povo francês e dos mineiros, evidenciando semelhanças entre as culturas e estilos.

 

Da exposição “33 Voltas em Torno da Terra” // Divulgação
 

Conhecimento Compartilhado

A partir dai o espaço se abre para, além de mostras e exposições, seminários, oficinas e bate-papos. O museu abriga também a BMumo, a biblioteca que guarda em sua memória a vocação para ser um importante incentivo à leitura em todas as suas vertentes. Na BMumo, que possui o mesmo acervo antes pertencente ao CRModa, os visitantes encontram mais de cinco mil obras sobre arte e suas linguagens, incluindo moda e indumentária, fotografia, desenho, pintura, arquitetura, dança e teatro; e obras sobre ciências humanas, como filosofia, antropologia e cultura da moda – todas disponíveis para pesquisa no local e empréstimo domiciliar. Vale ressaltar que a BMumo tem livros acessíveis e inclusivos, em braile.

Reforçando seu papel de disseminador de conhecimento, o Mumo criou o projeto “Aula Aberta”, cujo principal objetivo é promover o intercâmbio de pesquisas e informações entre especialistas de importantes universidades mineiras e a sociedade, em encontros gratuitos que acontecem toda semana com professores convidados. Já foram tratados temas como sustentabilidade no design de moda, modelagem 3D, estamparia digital, destinação de resíduos sólidos têxteis, criatividade, consciência negra e slow fashion.

O museu abre espaço também para sessões de cinema, espetáculos de teatro, shows e oficinas literárias, tangibilizando assim o entendimento da instituição sobre a complexidade da moda e seu potencial catalizador para sociedade, lugares, cultura, conhecimento e costumes. A estratégia de abordar moda de maneira transdisciplinar tem dado certo: o museu recebe cerca de 4 mil visitantes por mês, entre jovens, adultos, estudantes, profissionais da área e turistas, uma média considerável para a cidade de Belo Horizonte.


Foco na Moda e Sustentabilidade

Dentro da preocupação de abordar a moda com significado, referência e proximidade, com temas que trazem o público para perto, um dos recortes feitos pelo Mumo é pautar sustentabilidade em seu calendário. O programa “Slow Week: Moda, ética e sustentabilidade” traz uma programação extensa com discussões sobre reutilização de materiais, consumo consciente, exploração de mão de obra na cadeia produtiva, reciclagem, projetos socioculturais, customização e slow fashion. A segunda edição aconteceu em agosto e impulsionou propostas sustentáveis criativas com soluções para a moda e para o meio ambiente através de palestras, exposições, ações sociais, mesas redondas e oficinas.

Nessa temática, a mais recente exposição levou a Eco-Materioteca para dentro do museu. A expo propôs a pesquisa e inovação com materiais mais sustentáveis, convidando estudantes e designers a se questionarem sobre o papel de cada criativo dentro dessa narrativa e na construção de um acervo itinerante. A iniciativa das pesquisadoras e professoras Gabriela Marcondes Schott e Geanneti Tavares Salomon abordou a socialização e democratização do conhecimento e da inovação de práticas sustentáveis com tecidos e matérias-primas mais ecofriendly disponíveis no mercado nacional, incluindo tecidos feitos com cascas de arroz, corantes biodegradáveis e ingredientes orgânicos.

 

As amostras de tecidos catalogados pela Eco-Materioteca ficaram disponíveis ao público // Juliana Lima
 

A vontade de expor a Eco-Materioteca veio da percepção de ambas professoras de uma lacuna entre quem deseja criar de forma mais ecológica e a real efetivação desse desejo, já que os materiais disponíveis – parte importante do processo de criação – não estão catalogados em nenhum acervo acessível e não são amplamente divulgados. A ambientação do museu para a Eco-Materioteca foi pensada para ser um convite ao conhecimento dos processos de produção têxteis sustentáveis e sua aplicabilidade em roupas, acessórios e objetos, além de uma sala que abrigava amostras de tecidos que podem ser encontrados no mercado.

O Coletivo Ekô, formado por alunas de Moda do Centro Universitário Una, em parceria com a designer Denise Frade, o Instituto Cândida Célia e a Escola Profissionalizante Santo Agostinho, participou da catalogação dos materiais e assinou a criação e produção de oito looks expostos na mostra, que integraram também um editorial feito especialmente para a Eco-Materioteca, tudo feito de maneira colaborativa, voluntária e experimental. Todo o mobiliário da mostra foi produzido em um projeto expográfico também colaborativo com alunas do curso de Design de Interiores da Una e parceiros, fomentando como um todo a interdisciplinaridade entre instituições públicas e privadas e a conscientização da comunidade. 

Gostou dessa matéria? Compartilhe.
Tags

. .