Vogue Paris Celebra Os Animais E Faz Campanha Contra Pele Na Moda

Gisele Bündchen está na capa da edição de agosto/2017 da revista que pela primeira vez condena o uso de peles de animais na moda // Reprodução
 

Está ficando cada vez mais complicado para indústria da pele. Depois do grupo HE Yoox Net-a-Porter Group, um dos maiores varejistas de moda de luxo, banir peles de animais de todos os seus e-commerces, chegou a vez da Vogue Paris dizer o quanto a pele na moda está ficando ultrapassada. A edição de agosto de 2017 da publicação é dedicada aos animais e conta com ninguém menos que a modelo mais bem paga da indústria, para estampar a capa e o editorial principal dedicado às peles sintéticas.

Cangurus, coelhos, raposas e outros animais tradicionalmente criados e mortos para produção de casacos e acessórios de peles, aparecem ao lado de Gisele Bündchen nos cliques da dupla de fotógrafos Inez and Vinoodh. Ao revelar uma das fotos do recheio no Instagram, o duo afirmou que “toda a edição é dedicada aos animais e nossa série no recheio e capa enfatiza que usar pele real nunca é uma opção! Todos os grandes designers agora fazem os mais lindos casacos de pele falsa para mantê-lo aquecido neste inverno!”

 

Dentro de um estúdio, sendo expostos ao stress de um ambiente incomum, não chega nem perto de ser o lugar ideal para animais selvagens estarem, mas é possível entender porque a Vogue Paris escolheu trazer os próprios animais para o set. Ao ‘aproximar’ animais dos leitores, a revista relembra que as peles vêm de seres viventes e sencientes, algo que muitos designers e consumidores de moda parecem ter esquecido completamente.

Apesar do prestígio, a Vogue nunca foi uma revista da qual realmente pudéssemos esperar algum posicionamento significativo contra o status quo, o que provavelmente – e esperançosamente – significa que estamos caminhando para um novo padrão, onde matar animais para transformá-los em casacos deixa de ser chique e passa a ser exemplo de uma mentalidade ultrapassada.

Lembrando que a publicação está tratando de peles de coelho, chinchila, raposas e outros animais peludos (animal fur) comumente usados na moda. Outras peles, como peles de cobras, jacaré, vaca, porco, peixe, etc (animal skin), infelizmente, ainda são amplamente toleradas apesar de serem igualmente ruins para os animais e para o meio ambiente.

Uma boa propaganda que pode ajudar a convencer alguns que ainda estão presos no passado.

Gostou dessa matéria? Compartilhe.
Tags

. .