apoie o modefica

Somos uma organização de mídia independente sem fins lucrativos. Fortaleça o jornalismo ecofeminista e leve a pauta mais longe.

10 Marcas Que Seguimos De Perto No Instagram E Valem Seu Follow

Publicada em:
Atualizada em:
Texto
Imagens
min. tempo de leitura
Share on twitter
Share on pinterest
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

O Instagram funciona como uma fonte ótima de descobertas para nós. Seguimos mais de 1500 marcas, projetos, lugares e artistas que nos inspiram. No meio de tanta gente criativa, tem muita marca de moda – quase sempre comandadas por mulheres – ganhando cada vez mais destaque no duro mercado nacional. Com muito empenho e talento, elas fazem nossos olhos brilharem por vestidos, calças, blusas… Peças que são mais que peças, são formas de expressão, símbolos responsáveis por nos ajudar transmitir nossa essência.

Leia +: 20 Marcas Fora do Line Up Do SPFW Que Você Deve Seguir No Instagram

Mas o grande diferencial aqui é que essas marcas ajudam a transmitir nossa essência para além de gosto estético. Tem a ver com respeito, carinho, cuidado – com as pessoas, com os animais e com o meio ambiente. São empresas relativamente novas, trilhando o mesmo caminho que nós – o da aprendizagem. Porém, elas já começaram colocando a cara no sol quando o assunto é moda com consciência e personalidade. Nós contamos para vocês um pouquinho de cada uma delas.

1. Georgia Halal

marcas-moda-georgia

A marca homônima da designer Georgia Halal conversa com a produção consciente e o feminismo. São 8 anos de marca e nos últimos dois anos, Georgia vem internalizando o processo de modelagem, corte e costura. “Faz dois anos que montei a oficina dentro do atelier e comecei a fazer parte do desenvolvimento das peças aqui”, contou Georgia. Essa liberdade também permite peças sob medida para quem busca algo exclusivo ou em tamanhos difíceis de encontrar por aí.

No espaço em Pinheiros, o braço mão-na-massa da marca, Georgia LAB, é responsável por organizar encontros e workshops. O projeto mais recente, GRL Power, abre discussões sobre a relação da mulher com a sociedade como o bate-papo “bike também é coisa de mina”.

2. Karmen Awaken

marcas-moda-karmen

A Karmen acabou de sair do forno, lançar site e a primeira coleção. Comandada por Mariana Lombardo, a ideia é manter produção enxuta e coleções limitadas. Segundo a marca, a proposta é utilizar tecidos de qualidade que o mercado não quer mais. Além do reaproveitamento de tecidos, a Karmen garante também durabilidade e qualidade.

O slow-fashion marca o relacionamento com todos os envolvidos na marca – funcionários, clientes, fornecedores e sociedade. No estilo, a marca é trendy, mas propõe se manter fiel à essência urbana, de olho na cultura street. Para conhecer mais sobre a marca, acesse o site.

3. Ada

marcas-moda-ada

De Porto Alegre, Camila Puccini e Melina Knolow criaram a Ada; conceito minimalista, prezando por fibras naturais, mas nada de origem animal. O nome da marca é em referência Ada Augusta Byron King, a responsável pela criação do primeiro algoritmo a ser processado por uma máquina. A primeira coleção, dá o tom da marca, que homenageia grandes personalidades femininas da história como Audre Geraldine Lorde, militante dos direitos das afro-alemãs e Almerinda Farias Gama, militante feminista brasileira.

Indo além, todo o resíduo têxtil oriundo da produção das peças é destinado à ONG Patas Dadas, que os transforma em capas e camas para cachorros e gatos, dando um novo significado para o que seria considerado lixo industrial. Direito das mulheres + mais direitos dos animais + moda consciente = só amor. Para saber mais, entre no site da Ada.

4. Raw

marcas-moda-raw

Há 2 anos, entre Rio e SP nasceu a marca de Larissa Dare e Thayne Britto. De olho nas tendências, mas sem deixar de lado qualidade e inclusão, a RAW começou fazendo camisetas estampadas com as fotografias tiradas por Larissa e logo expandiu para outros produtos. A nova coleção agender pontua a preocupação da marca em estar à frente das tendências e também abrir diálogo com o maior número de pessoas. Todas as peças são produzidas em uma oficina de costura em São Paulo.

A RAW também aceita encomendas para tamanhos não disponíveis. Segundo Larissa, o objetivo da marca é alcançar clientes pelo Brasil todo. As meninas prometem que esse é só o começo e podemos esperar por muito mais. Para conferir a loja online da marca, só clicar aqui.

5. Not Your Basic Denim

marcas-moda-nybd

Nada de jeans básico por aqui. A Not Your Basic Denim nasceu para deixar suas peças de jeans com a sua cara – patchs, bordados, e estampas transformam jaquetas, calças e peças de jeans no geral em itens únicos pra guardar a vida toda. Uma coleção pintada pela artista plástica Olivia Biasi eleva a customização ao nível de arte, as costas da jaqueta jeans viraram tela de pintura.

Recém nascida, Martina Scaravaglioni e Mafê de Castro lançaram a marca em dezembro de 2015. Todas as peças são produzidas pela própria marca em São Paulo, em oficinas terceirizadas. “São poucos fornecedores, mas são muito parceiros e muito bons no que fazem”, explica ela. Os jeans vêm de tecelagens brasileiras, o que garante uma peça 100% nacional.

6. Regina Misk

marcas-moda-regina-misk

Conhecemos a marca mineira especializada em tricô quando ela lançou coleção cápsula em parceria com a artista Domitila De Paulo no ano passado. A técnica artesanal do tricô ganha ares contemporâneos em seu ateliê em Belo Horizonte. Ao navegar pelas coleções da marca, não vemos tendência – vemos peças atemporais, mas que fogem do preto, branco e cinza. Regina prova que para ser atemporal não precisa ser sem cor.

Aumentando sua área de atuação para além da moda, seu projeto “Além da forma” reinventa cadeiras, poltronas e banquetas de design brasileiro, com inspiração nas décadas 50 e 60, através do tricô. A curadoria das peças é feita pela própria artista, algumas encontradas em antiquários, conferindo a elas uma nova identidade. Para conferir mais sobre a Regina, sua marca e seus projeto, clique aqui.

7. Suia Store

marcas-moda-suia

Geannine Polazon nasceu em Goiânia, mas depois de uma longa estadia de 12 anos em Londres, voltou para o Rio De Janeiro onde cresceu e criou a Suia. Marca feminina que tem no DNA a modelagem impecável da alfaiataria. Em Londres, trabalhou com Alexander McQueen e Giles Deacon e ganhou a experiência da perfeição no corte e na costura. As peças são atemporais, mas não deixam de ter um apelo trendy – pantalonas, pantacourts e macacões. Tudo muito em alta nos últimos dois anos.

O nome para a marca acabou surgindo em uma viagem para o sul da Bahia, onde Geannine conheceu uma índia Pataxó de nome Suia, cuja leveza e simplicidade inspiraram na criação da marca. As peças são feitas artesanalmente no Rio e todos os tecidos são, preferencialmente, de fornecedores nacionais. Para ver mais das peças, só clicar aqui.

8. À La Garçonne

marcas-moda-alg

Herchcovitch deixou sua marca homônima, vendida há alguns anos para o grupo InBrands, esse ano. Mas não demorou muito para percebermos que ele não saiu da moda – nem do SPFW. Na verdade, nem um tempo ou sabático o estilista resolveu tirar. É ele que está por trás da nova linha de roupas do antiquário bem conhecido em São Paulo À La Garçonne.

Peças com cara e jeito de Alexandre, mas com perfuminho vintage seguindo a premissa do antiquário. Uma coleção que deve ser bem disputada – e limitada – made in São Paulo. À La Garçonne estreia nesse São Paulo Fashion Week #41. Vamos acompanhar para ver o que vem por ai.

09. Santa Expedita/Maria Nuvem

marcas-moda-santa

Nathália Lessa criou a Maria Nuvem, Renata Rosa a Santa Expedita. Suas criadoras se encontraram e hoje as marcas se juntaram e estão em fase de unificação. Seus estilos se conversam, e se completam. Peças fluídas e frescas, deixam o corpo solto e confortável, mas sem perder o charme e a feminilidade.

Além das formas e dos tecidos leves, as estampas delicadas são outro ponto na identidade da marca. As peças são produzidas em São Paulo, sempre de olho na qualidade, tentando garantir uma vida longa para cada item.

10. Lina Dellic

marcas-moda-lina

A Lina Dellic foi uma daquelas descobertas boas nas indicações “sugeridos para você” no nosso Instagram. Começamos a seguir a marca, dar um like aqui, outro ali, observar sua proposta e não demorou muito para recebermos um email de suas fundadoras, Gabriela e Zags, nos apresentando a marca e seu manifesto. Agora fazia sentido porque tudo nos parecia – pelas fotos – tão lindo e carinhoso. A marca produz com o auxílio de uma estilista e três costureiras e as coleções prezam o básico com muita elegância.

Quem tá na saga do armário-cápsula pode contar com a ajuda da marca: são quatro coleções de peças essenciais e cheias de graça para compor o guarda-roupa. Na loja online, além de composição dos tecidos e guia da tamanhos, a marca conta a inspiração e referências de cada item – aproximando ainda mais criador, criatura e consumidor. Além de moda, no site da marca, tem produtos de decoração e lifestyle.

Fotos: Reprodução

* * *

Jornalismo ecofeminista a favor da justiça socioambiental e climática

Para continuar fazendo nosso trabalho de forma independente e sem amarras, precisamos do apoio financeiro da nossa comunidade. Se junte a esse movimento de transformação.

Continue lendo