5 Coisas Que Você Precisa Saber Sobre O Sangue Menstrual

É hora de falar sobre menstruação. Mais especificamente sobre o sangue da nossa menstruação. Um assunto tão evitado mesmo que todos os meses metade da população mundial precise lidar com sangue menstrual por alguns dias. Menstruação precisa ser mantida como um segredo e, para isso, devemos esconder a sua prova mais impertinente: o sangue. E Deus nos livre de entrarmos em contato com ele!

Nós vemos na TV e nas revistas empresas colocando a menstruação como algo a ser escondido, evitado ou como algo extremamente inconveniente. O sangue, por sua vez, é considerado ‘nojento’: as empresas não cansam de nos vender produtos ótimos que vão nos manter afastadas do nosso sangue o máximo possível. Tudo isso sem jamais mencionar palavras como menstruação, sangue ou vagina.

É claro que, para muitas mulheres, esse período do mês vem acompanhado de dores e desconfortos em uma tensão pré-menstrual (TPM) das bravas e o sangue é a forma como todo esse desconforto se materializa. Mas achar menstruação um pé no saco por conta da TPM e por ter que usar algo tão desconfortável como absorventes (alô, coletor menstrual!) é uma coisa. Achar o sangue (e toda a menstruação em si) nojento é outra.

Sentir nojo do sangue menstrual é uma questão cultural e em muitas sociedades é até uma questão relacionada à impureza. Elizabeth Morray, psicóloga e pesquisadora sobre definições culturais de gênero, explica que “durante a história, a menstruação foi considerada um tabu: algo que precisa ser escondido porque é sujo e vergonhoso. Mesmo com os progressos do conhecimento em torno do assunto e nós já entendermos que a menstruação é um componente crítico para a reprodução, essas atitudes antigas são difíceis de mudar”.

Publicidade

Quantas vezes você já pegou um absorvente escondido na bolsa e foi disfarçadamente até o banheiro fazendo o máximo de esforço possível para ninguém colocar os olhos nele e saber que você está naqueles dias? Isso é algo que contamos apenas às amigas mais íntimas.

Com todo o conhecimento que temos sobre a menstruação, já passou da hora de falarmos dela sem medo e, principalmente, transmitirmos um sentimento mais positivo sobre menstruação para as meninas mais novas. Não, menstruação e sangue não são coisas nojentas e sujas. São coisas naturais do corpo feminino e acontecem todo mês com grande parte das mulheres. Não há do que sentir vergonha.

modefica-1

Para te dar detalhes, conversamos com duas ginecologistas que nos explicaram tudo sobre o sangue menstrual e o porquê está tudo bem você desmaiar ao vê-lo se você desmaia ao ver sangue, mas que não há motivos para sentir nojo ou receio dele só porque ele sai da sua vagina.

Aqui vão 5 coisas sérias que você realmente precisa saber e entender sobre o sangue menstrual (e passar pra outras meninas e mulheres).

1. Da onde vem o sangue?

Vamos começar do começo. O primeiro passo é entender da onde vem o sangue. Provavelmente você sabe que ele vem do útero, mas queremos te dar mais detalhes. Ana Thais Vargas, ginecologista e obstetra humanizada formada no IMIP em Recife, com especialização em endocrino ginecologia na Santa Casa de São Paulo, explica:

“Nosso útero é revestido por dentro por uma camada de células glandulares chamada endométrio. O endométrio se prolifera e cresce durante o ciclo menstrual para criar uma espécie de cama para a implantação do embrião caso a mulher engravide. O endométrio é formado por vários vasos sanguíneos que se formam exclusivamente pra receber o ovo fecundado e a placenta que vai crescer ali. Caso a mulher não engravide essa camada deverá ser trocada para o novo ciclo e assim ela descama e sai. Essa descamação, essa renovação do endométrio é a nossa menstruação.”

A Dra Ana Luiza Antunes Faria, ginecologista e obstetra pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e mastologista da equipe do Hospital PerolaByington – Centro de Referência de Saúde da Mulher, compara essa camada do endométrio a um ninho, que é todo mês preparado para receber o bebê. “Todo mês, sobre as influências dos hormônios produzidos pelo ovário, aquela pele do útero [o endométrio] vai crescendo, ficando fofinha, cheia de vasos, cheia de nutrientes para se preparar para uma futura gravidez. Caso essa gravidez não aconteça, nosso organismo joga fora essa pele que ele preparou, esse ninho, esse endométrio”.

2. O sangue menstrual pode transmitir algum tipo de doença?

Nós já ouvimos muita mulher dizendo que sangue de menstruação pode transmitir doenças mesmo em se tratando de pessoas saudáveis (e por isso também) não é seguro ter relações sexuais durante o período menstrual, mas nunca ouvimos isso de um ginecologista – o que fez nós nos perguntarmos da onde essa informação surgiu e como ela foi tão disseminada.

Entretanto, conforme explica Vargas, “o sangue menstrual quando sai de dentro do útero é estéril, ele não contém nenhuma bactéria. O sangue vai ser contaminado pelas bactérias da vagina quando ele passa por ela. Então, em se tratando de uma pessoa saudável, o sangue menstrual carrega as mesmas bactérias que a vagina que são inócuas para nossa saúde”.

“A menstruação nada mais é do que essa descamação dessa pele do útero. Ele não tem nada de toxinas, nenhuma secreção”, explica Faria. A médica também esclarece que esse sangue uterino não é o mesmo sangue que corre nas nossas veias e vai de encontro ao mito: “As pessoas acham que quando elas menstruam, elas limpam o sangue, elas dizem que se sentem mais limpas. A menstruação e o útero não filtram o sangue. O órgão responsável por filtrar o sangue [e eliminar toxinas] é o rim”.

Publicidade

Vargas explica também que já existem estudos sendo feitos sobre as propriedades benéficas do sangue menstrual como a presença de células com grande capacidade de divisão e regeneração, as células tronco. “Nossa sangue menstrual é vida e pode fazer avançar a medicina”.

3. HIV e outras DST’s podem ser transmitidas pelo sangue menstrual?

Em casos de pessoas portadoras de doenças sexualmente transmissíveis a história muda. “Qualquer tipo de contato de secreções, que pode ser sangue, leite materno, secreção vaginal pela própria lubrificação, tudo isso pode fazer a transmissão de hepatite, de HIV e de outras doenças sexualmente transmissíveis. A relação não é em si apenas com o sangue menstrual, mas com as secreções vaginais”, esclarece Faria.

A médica também é enfática sobre a necessidade do uso de preservativos na relação sexual, tanto no período menstrual quanto fora dele. “Estar no período menstrual não vai aumentar mais ou menos os riscos. A transmissão da hepatite C vai acontecer independente de você estar no período menstrual ou não caso as pessoas tenham o vírus”.

Então, se você não tem um(a) parceiro(a) fixo(a) e não acompanha os exames dele(a) periodicamente, a relação sexual, estando você menstruada ou não, só será mais segura para ambos se for feita com proteção. “Todo fluido do nosso corpo pode ser o transmissor de alguma doença que carregamos como HIV e sífilis, por exemplo, então o sangue menstrual pode sim infectar as pessoas que têm contato com eles. Fora isso, ele não apresenta perigo nenhum”, ressalta Vargas.

modefica-3

4. Existe algum risco em ter relações sexuais durante a menstruação?

Basicamente, só existe risco se houver algum doença, como explicado acima. Outro ponto que a Dra Ana Luiza esclarece é que “durante o período menstrual, o colo do útero pode estar um pouco mais aberto para eliminar esse sangue, então tem que tomar um pouco de cuidado, principalmente se tiver relações sexuais sem proteção, o que não deveria acontecer porque pode subir sim alguma bactéria, junto com o espermatozoide e causar alguma infecção intrauterina”.

5. Quais as características de um sangue saudável e quando devemos nos preocupar?

É importante observar volume, odor e espessura do sangue, principalmente se houver mudanças bruscas de um mês para o outro. A Dra Ana Thais explica que cada mulher tem um ritmo e um padrão menstrual característico seu. Coágulos são normais e a cor do sangue (mais vivo, claro ou mais escuro) vai variar de cada corpo. Com relação ao odor, a médica esclarece que “toda a menstruação tem um odor característico e ele vem do contato do sangue com o oxigênio do ar e com as bactérias da vagina. Quando usamos copinho coletor, a tendência é que a menstruação tenha menos cheiro”.

A Dra Ana Luiza dá algumas dicas: “Um sangramento saudável é um volume considerado normal. Você não vai encharcar a cama, manchar todas as roupas, pingar no chão. Isso é considerado um sangramento saudável. [Um sangramento] que você consegue usar coletores ou absorventes e eles vão dar conta do recado”.

No quesito odor e espessura, é com o uso dos coletores que conseguimos observar melhor as características do nosso sangue, que podem ‘se perder’ no absorvente, fique ainda mais atenta se você fazer uso desses, sempre observando a menstruação e não descartando o absorvente sem prestar atenção.

“O sangue tem que ser levemente coagulado, mas não coágulos muito grandes. Ele geralmente não tem um odor forte. Se ele tiver um odor muito forte [como de um lugar sujo], ele pode ter alguma bactéria. Um volume muito aumentado com coágulos muito grandes também é atípico”, finaliza Faria.

Vargas acrescenta que é importante procurar um médico quando o padrão mudar de repente como muito sangue, pouco sangue, muita dor, etc. “Uma quantidade de sangue maior do que a habitual em mais de um ciclo deve ser investigada, cólica menstrual forte e/ou cada vez mais forte a cada ciclo também merece investigação. É importante consultar seu ginecologista uma vez ao ano para aprender mais sobre seu corpo e se cuidar”.

Ilustrado Por: Layse Almada

Conheça e faça parte do Clube Modefica!
O Modefica é uma mídia independente que pensa moda, arte, alimentação e política para resiliência social e ecológica. Para manter nosso conteúdo aberto e acessível para todas as pessoas, nós precisamos da sua colaboração.
Gostou desse texto? Contribua com o Clube Modefica e ajude nosso conteúdo ir mais longe para amplificar a transformação positiva.
Gostou dessa matéria? Compartilhe.
Tags