Ativistas Climáticos (e Ambientalistas) Estão Mentindo Para Você

Eu sou uma ativista climática. Vou a protestos e faço cartazes em papelão reciclado. Eu participo de reuniões com grupos locais de ativistas climáticos, onde quer que o local seja para mim em um determinado momento. Eu aborreço meus amigos arrastando-os para restaurantes ecológicos corretos e sou um pesadelo como companhia de ir às compras (diga não ao consumismo). Meu guarda-roupa está cheio de roupas velhas ou coisas que comprei de segunda mão e estou constantemente em busca de uma nova escova de dente de bambu. Até desisti de comer carne, não porque acredite que matar animais para sobreviver seja errado, mas porque nossas práticas agrícolas atuais são cruéis e prejudicam o meio ambiente.

Acima de tudo, não quero ser hipócrita. Lidere pelo exemplo e tudo mais.

Pessoas como eu vão pedir que você assuma a responsabilidade por suas ações. Diremos a você para parar de comprar garrafas de plástico de uso único e investir em renováveis. E não sem razão, globalmente as pessoas consomem 200 bilhões de garrafas plásticas a cada ano, a maioria das quais não são recicladas. Vamos oferecer alternativas para marcas de fast fashion e incentivá-lo a experimentar as Segundas-sem-Carne. Enviar links de receitas vegetarianas super tentadoras ou recomendar nossos produtos favoritos de desperdício zero.

Ativismo climático têm tudo a ver com ações pessoais, responsabilizamos nós mesmos e aqueles em nossos círculos sociais pelo impacto que temos no planeta. A noção de que uma pessoa pode fazer uma grande diferença simplesmente fazendo pequenas mudanças em suas vidas é constantemente perpetuada nos grupos ambientalistas.

Publicidade

É verdade que a sociedade como um todo tem um papel a desempenhar na solução da crise climática. O que nos levou a esse ponto em primeiro lugar foi um consumismo massivo, práticas insustentáveis e industrialização. E é apenas sentando e agindo que podemos salvar nosso planeta.

Mas os ativistas climáticos estão mentindo para você.

Talvez não intencionalmente, estamos apenas tentando envolver as pessoas em uma causa. Tentando fazer com que as pessoas se importem. Mas estamos definitivamente induzindo ao erro e talvez somos excessivamente otimistas ao pregar sobre os benefícios de escolher hábitos pessoais mais saudáveis para o meio ambiente.

A ação pessoal definitivamente tem um lugar no ativismo ambiental. Quando empregado por muitos, reduz a pressão sobre os recursos planetários e nos faz sentir que estamos contribuindo para a causa. Mas não deve ocupar o palco central na luta para salvar nosso planeta. Se quisermos fazer mudanças rápidas, devemos canalizar nosso foco para outro lugar. Devemos voltar nosso escrutínio para grandes empresas e os 10% mais ricos do mundo, porque é aí que se escondem os principais culpados das mudanças climáticas.

Foto: Kevin Mueller via Unsplash

As mudanças climáticas afetam desproporcionalmente as classes baixa e média, mas são os 10% mais ricos do mundo responsáveis por produzir metade das emissões globais de carbono, enquanto os 3,5 bilhões mais pobres representam apenas um décimo. As únicas pessoas que podem se beneficiar de manter o status quo e um fraco Acordo de Paris são um grupo de bilionários que acumulou suas riquezas com a indústria de combustíveis fósseis. O estilo de vida dos ricos é uma das maiores ameaças ao nosso meio ambiente. Se realmente queremos salvar o planeta, precisamos parar de apontar o dedo aos países em desenvolvimento e à classe baixa que passa dificuldades e começar a responsabilizar os ricos por suas emissões.

As empresas também se beneficiam da defesa da narrativa da responsabilidade pessoal. Ele desvia a atenção de seu impacto sobre o meio ambiente e oculta as verdadeiras raízes do problema. Apenas 100 empresas são responsáveis por 71% de todas as emissões globais de gases de efeito estufa, a maioria delas operando na esfera dos combustíveis fósseis. Pense nisso, apenas 100 empresas e investidores são os culpados pela gravidade da situação atual. É incrível que um número tão pequeno possa ter um efeito tão grande. E, no entanto, apesar de sua influência massiva, eles permanecem sem fiscalização e podem operar em um modelo de business as usual (negócios como de costume) em meio a uma crise global.

Como um ativista que se preocupa com a ação pessoal, posso dizer que a melhor coisa que você pode fazer pelo planeta é votar. Todas essas pequenas ações pessoais não valerão nada se não responsabilizarmos os causadores da crise climática por suas emissões. E a maneira de fazer isso é votar.

Vá votar em candidatos que protegem seus melhores interesses, em candidatos que apóiam sistemas tributários progressivos e são apaixonados por impor impostos de carbono. Eduque-se, pergunte aos políticos sobre suas políticas ambientais e exija especificações sobre como eles vão executá-las. Use sua voz para mudar a face da política e a situação da mudança climática também mudará. E lembre-se de pegar o ônibus quando for à assembleia de voto.

Texto escrito por Kornelija Gruodyte. Artigo originalmente publicado em Climate Conscious e traduzido para o Modefica sob licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Conheça e faça parte do Clube Modefica!
O Modefica é uma mídia independente que pensa moda, arte, alimentação e política para resiliência social e ecológica. Para manter nosso conteúdo aberto e acessível para todas as pessoas, nós precisamos da sua colaboração.
Gostou desse texto? Clique aqui e contribua com o Clube Modefica e ajude nosso conteúdo ir mais longe para amplificar a transformação positiva.
Gostou dessa matéria? Compartilhe.
Tags

.