apoie o modefica

Somos uma organização de mídia independente sem fins lucrativos. Fortaleça o jornalismo ecofeminista e leve a pauta mais longe.

EUA Mantém Punição Econômica Sob Bangladesh. Será Esse Um Avanço Rumo A Uma Moda Mais Consciente?

Publicada em:
Atualizada em:
Texto
Imagens
min. tempo de leitura
Share on twitter
Share on pinterest
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Na última sexta-feira, 16, o governo dos Estados Unidos manteve uma suspensão de benefícios econômicos que afeta diretamente a produção de roupas em Bangladesh. Desde o desabamento do Rana Plaza, que, somado ao incêndio da Tazreen Fashions Ltda em 2012, causou mais de 1240 mortes de trabalhadores têxteis no país, benefícios de importação foram retirados até as fábricas da nação asiática oferecem condições relativamente boas de trabalho.

“Pedimos ao governo para concluir as inspeções das fábricas restantes o mais rapidamente possível para evitar a recorrência de tragédias no local de trabalho, tais como as que ocorreram em 2012 e 2013”, disse o representante comercial dos EUA Michael Froman.

“Há mais trabalho a fazer, com base na colaboração entre o governo de Bangladesh, as partes interessadas do setor privado, e da Organização Internacional do Trabalho, para abordar as preocupações com a segurança de fábrica no setor de vestuário. Também solicitamos ao governo acelerar seus esforços para garantir os direitos dos trabalhadores e tomar medidas para resolver contínuos relatos de assédio e violência contra ativistas sindicais que estão tentando exercer os seus direitos”, acrescenta.

Considerando que os governos e empresas continuam fazendo vista grossa às péssimas condições de trabalho no resto da Ásia e Índia, e que os $34.7 milhões de dólares que Bangladesh perdeu em exportações de roupas para os EUA durante o período de suspensão de benefícios não chega nem perto da soma que o país asiático exporta em tabaco, equipamentos esportivos, porcelana chinesa e produtos de plástico, todos sob uma série de benefícios econômicos, a medida é, de fato, rasa para o tamanho do problema.

Porém, com um mercado consumidor cada vez mais ávido por transparência e ética na produção, os acontecimentos de 2012 e 2013 não poderiam passar sem nenhum tipo de punição ou sanção econômica. E está forçando, de uma maneira ou de outra, as fábricas e os governos locais a se readequarem e oferecerem segurança de trabalho.

O governo americano afirmou que houve um avanço desde 2013, quando foi imposta a punição, porém não o suficiente para que os benefícios fossem retomados. Segundo o relatório, são necessários mais progressos em várias áreas-chave do plano de ação, incluindo “progressos urgentes” para resolver o problema das práticas trabalhistas injustas e a implementação de reformas legais.

Apesar das inspeções nas fábricas deverem acontecer também por parte do governo de Bangladesh, a grande maioria delas foi feita pela iniciativa privada. Foram mais de 2.000 inspeções de segurança no setor de vestuário no ano passado, conduzidas por grandes redes varejistas dos Estados Unidos e Europa.

“Estas inspeções resultaram no fechamento de pelo menos 31 fábricas, o encerramento parcial de 17 fábricas adicionais, bem como a identificação das medidas corretivas necessárias em centenas mais”, disse o USTR. “O governo (de Bangladesh) é responsável pela fiscalização de várias centenas de outras fábricas e contratou equipes de inspeção adicionais para realizar e sustentar o esforço de inspeção.”

Enquanto Bangladesh sofre dificuldade para exportar roupas para os EUA, no resto do mundo as transações continuam livres, sustentando uma indústria milionária, que massacra principalmente mulheres e adolescentes. Então, da próxima vez que você for comprar uma peça de roupa, verifique a etiqueta e se foi feito em Bangladesh, já sabe o que fazer, né? Não compre.

Fonte: WWD / Foto: Reprodução

* * *

Jornalismo ecofeminista a favor da justiça socioambiental e climática

Para continuar fazendo nosso trabalho de forma independente e sem amarras, precisamos do apoio financeiro da nossa comunidade. Se junte a esse movimento de transformação.

Continue lendo