Projeto Made Of Sugar Mostra Que Pit Bulls São Tão Dóceis (Ou Tão Agressivos) Quanto Qualquer Outro Cachorro

Se você nunca teve (ou não conhece alguém que tenha) um cão da raça Pit Bull (American Pit Bull Terrier), é possível que você não reserve muita simpatia pela raça ou até mesmo guarde um medo desses cachorros. Eu mesma, que sempre fui apaixonada por cachorros, me convenci ser mais seguro temê-los também, como se esses cães especificamente fossem diferentes, cachorros praticamente não domésticos, violentos, perigosos.

Hoje, só de pensar em como me sentia, e em como grande parte das pessoas se sentem, em relação a eles, vejo o quão essa percepção descabida pode ser nociva. Não à toa, os Pit Bulls de rua sofrem ainda mais violência quando comparado com os outros cães. Basta uma rolagem em algum grupo de resgate de cães no Facebook ou Instagram para notar uma história de maus tratos mais triste e mais violenta que a outra.

Por outro lado, eu não conheço uma só pessoa responsável por um Pit Bull que não seja totalmente apaixonada por ele. Talvez esse amor cresça ainda mais forte quando barreiras de preconceito são rompidas e esses tutores são surpreendidos com a quantidade de carinho guardadas nessas criaturas, comprovando o fato deles não serem tão assustadores como nós tendemos a acreditar. Nas relações próximas com Pit Bulls é possível percebe-los como qualquer outro cachorro, revelando o que muita gente já sabe e não é noticiado: um cachorro educado não tem raça, mas sim um tutor responsável.

Segundo a American Temperament Test Society, a raça Pit Bull é uma das raças mais tolerantes, logo depois do Labrador, desnaturalizando a agressividade normalmente jogadas sobre eles. Uma pesquisa nos EUA mostrou que 80% dos cães da raça Pit Bull envolvidos em ataques fatais eram negligenciados ou abusados e 86% dos desses casos envolviam machos não castrados.

Publicidade

Pensando em tudo isso, Natalie Hanns, responsável por três Pit Bulls, criou o Made Of Sugar. O projeto procura conscientizar as pessoas através das histórias escondidas por trás das “tragédias”, histórias que a mídia sensacionalista não se dá ao trabalho de expor.

Visando aumentar o alcance do projeto, Natalie criou o calendário do Made Of Sugar, intitulado “Pin Ups & Pits”. O objetivo é arrecadar dinheiro para ONG’s responsáveis por ajudar cães e gatos vivendo em abrigos, e, ao mesmo tempo, mostrar como os Pit Bulls são dóceis e engraçados por meio de fotos divertidas. Para ajudar o calendário sair do papel, você pode contribuir através do financiamento coletivo aqui.

made-of-sugar-pit-bull-1
Calendário Pin Ups & Pit Bulls // Divulgação

​Por fim, vale lembrar que qualquer cachorro, independentemente de idade, está aberto a aprender.​ Essa é uma verdade absoluta, basta perguntar para qualquer adestrador profissional. Entretanto, e infelizmente, cães estão abertos a aprenderem coisas boas e ruins. ​É bem fácil transformar um cachorro em um ser irritado, estressado, e agressivo, principalmente por medo, uma das principais causas de violência de cachorros. Até os menores dos cachorros podem ser violentos, a diferença é: em cachorros pequenos, a má educação é vista como algo “engraçadinho” e até mesmo “fofo”.

Se você ​gosta de cachorros, faça o bem sem ver a ​raça. Apesar de falarmos aqui sobre cães tido como violentos, especialmente os Pit Bulls, defendemos sempre a adoção independente de raça. Já existe cachorro demais no mundo, e a indústria por trás dos pet-shops é cruel, como muitos devem saber. Não compre seu melhor amigo. Adote! ​Pesquise, se informe, conheça mais e não guarde preconceitos. Depois de se convencer, espalhe esse pensamento. Dê um chega-pra-lá no medo construído pelo senso comum e venha conhecer casos de amor e sucesso desses bichanos.

Ilustração Capa: Sian Murray // Reprodução

Conheça e faça parte do Clube Modefica!
O Modefica é uma mídia independente que pensa moda, arte, alimentação e política para resiliência social e ecológica. Para manter nosso conteúdo aberto e acessível para todas as pessoas, nós precisamos da sua colaboração.
Gostou desse texto? Contribua com o Clube Modefica e ajude nosso conteúdo ir mais longe para amplificar a transformação positiva.
Gostou dessa matéria? Compartilhe.
Tags

.