apoie o modefica

Somos uma organização de mídia independente sem fins lucrativos. Fortaleça o jornalismo ecofeminista e leve a pauta mais longe.

7 Princípios Fundamentais Para Trabalhar o Colapso Climático em Imagens

Publicada em:
Atualizada em:
Texto
Imagens
min. tempo de leitura
Share on twitter
Share on pinterest
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Quando você pensa em mudanças climáticas, aquecimento global, desmatamento, poluição, qual imagem vem a sua mente? O urso polar em meio a calotas de gelo derretendo, florestas pegando fogo ou chaminés de indústrias são, certamente, algumas imagens clássicas sempre lembradas nestes momentos. E isso tem uma razão simples: a comunicação visual não acompanhou o desenvolvimento da comunicação verbal e escrita sobre o colapso climático nos últimos anos. Um estudo realizado em duas partes pela Climate Visuals mostrou porquê é tão complicado engajar pessoas para a causa ambiental com imagens e quais as melhor formas de trabalhar esse tipo de comunicação.

Uma coisa é certa: o problema não está na falta de imagens que ilustram as diversas problemáticas que já sofremos com a crise climática, e sim na falta de estudos acadêmicos que orientem como trabalhar visualmente as informações destas situações. A pesquisa foi feita com mais de três mil voluntários da Alemanha, Estados Unidos e Reino Unido, em 2015, e analisou suas reações a diversos tipos de imagens, como as clássicas mencionadas acima, e também algumas como políticos assinando acordos ambientais, enchentes, pessoas próximas a painéis solares.

As imagens foram divididas em causas, impactos e soluções ambientais e foram avaliados fatos como a compreensão do que a foto transmitia e se era possível associá-la às mudanças climáticas; a auto identificação – se os voluntários se sentiam “conectados à imagem” -; qual era a sensação que ela despertava; se sentiam vontade ou não de fazer algo. O resultado das respostas mostrou que, em alguns pontos, o público reage da mesma forma a certas fotos e, em outros, de forma totalmente diferente. Imagens nacionais e locais foram mais fáceis de se relacionar. Mas elas também causaram uma sensação de perturbação e angústia mais generalizada. Ao mesmo passo que, imagens de lugares distantes, como o ártico, dão a impressão que a crise ambiental está longe de nós.

Então, como devemos proceder para comunicar o assunto da melhor forma? Listamos a seguir sete princípios fundamentais para engajar o público nas imagens de mudanças climáticas.

O que essa foto mostra: Hasina Begum (Bramanbaria): “Mil palavras não são suficientes para descrever minha vida e o que tenho enfrentado nesta terra amaldiçoada. Nascemos com o destino das vítimas. Deus deu vidas amaldiçoadas àqueles que nasceram nessas áreas costeiras do norte, perto dos Sundarbans. Ele não nos deu nada, exceto tristeza e angústia. Vivemos em terras do governo. Todo ano, repetidamente, um ciclone varre tudo o que estávamos tentando construir ao longo do ano”.

* * *

Jornalismo ecofeminista a favor da justiça socioambiental e climática

Para continuar fazendo nosso trabalho de forma independente e sem amarras, precisamos do apoio financeiro da nossa comunidade. Se junte a esse movimento de transformação.

Continue lendo