apoie o modefica

Somos uma organização de mídia independente sem fins lucrativos. Fortaleça o jornalismo ecofeminista e leve a pauta mais longe.

Stella McCartney Sobre “Fur No Fur” Em Seu Pre-Fall Clássico Com Toques de Irreverência e Atitude

Publicada em:
Atualizada em:
Texto
Imagens
min. tempo de leitura
Share on twitter
Share on pinterest
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Enquanto quase todos os olhos da indústria da moda estão voltados para a temporada FALL 2015 de moda masculina, que, diga-se de passagem, começou muito bem com o desfile nostalgia rock n’ roll da TOPMAN, as marcas femininas ainda estão apresentando suas coleções pré-temporada de outono/inverno, o chamdo PRE-FALL 2015.

Ontem, 14/01, foi dia de acompanhar o lançamentos de Stella McCartney, que sempre aparece por aqui já que seu luxo anda de mãos dadas com a ética e sustentabilidade. Como era de se esperar, ela não nos desapontou. A coleção clássica com um toque de irreverência gerou desejo instantâneo, principalmente pelos sapatos: todos veganos e com sola tratorada de borracha biodegradável, além de contarem com uma napa alternativa sintética, porém com cobertura feita a partir de óleos vegetais.

A lã da coleção (vale lembrar que a estilista usa seda e lã com freqüência) veio da Patagônia, um projeto inovador que visa recuperar parte da região que ficou deserta exatamente pelo excesso de produção de lã. Você pode ler mais sobre esse projeto aqui.

Também teve uma variedade de opções “fur no fur” ou algo como “pele sem pele”. O que para Stella é um novo passo, já que a estilista sempre acreditou que até mesmo a pele sintética poderia incentivar o uso da pele verdadeira. “Mas eu estava conversando com diversas mulheres e elas falavam ‘Não, eu quero a alternativa de pele sintética’. Eu pensei, então por que não fazer peles sintéticas incríveis para que as verdadeiras não sejam mais necessárias?”, disse ela ao WWD.

stella-mccartney-pre-fall-2015-2

Ela não está sozinha em nenhum dos pensamentos: seja divulgar a pele sintética ou não divulgar nenhum tipo de pele. Diversas fashionistas anti-pele realmente acreditam que a pele sintética, principalmente quando realmente parece a coisa real, pode incentivar a indústria de peles de animais. Por outro lado, um bom número de mulheres, como eu, acredita que a pele falsa pode vir a substituir completamente o desejo por pele no guarda-roupa feminino já que ele não deve desaparecer, pelo menos não tão cedo, e isso seria uma enorme vitória.

Falando em vitória, um espírito esportivo, quase literal, dominou o humor da temporada para McCartney. Mesas de pingue-pongue e um campo de golfe improvisado serviram de plano de fundo da apresentação – que aconteceu em uma mansão no Upper East Side. Talvez sua nova colaboração para a Adidas a tenha feito entrar nesse clima sport-chic.

Toda a coleção contou com peças de linhas elegantes e detalhes decorativos, mas sempre com aquele toque de atitude tão característico da estilista. Para quem gosta de arriscar nas tendências de estilo, a Stella sugeriu a túnica sobre calça (ou vestido sobre calça), que gostamos muito e inclusive já falamos sobre como adotar o visual por aqui.

Os 39 looks imperdíveis da coleção podem ser vistos na nossa galeria de imagens. Respira e não pira.

* * *

Jornalismo ecofeminista a favor da justiça socioambiental e climática

Para continuar fazendo nosso trabalho de forma independente e sem amarras, precisamos do apoio financeiro da nossa comunidade. Se junte a esse movimento de transformação.

Continue lendo