apoie o modefica

Somos uma organização de mídia independente sem fins lucrativos. Fortaleça o jornalismo ecofeminista e leve a pauta mais longe.

Moda Sem Crueldade: Inglesa Asos Tira Seda, Mohair e Cashmere dos Seus Produtos

Publicada em:
Atualizada em:
Texto
Imagens
min. tempo de leitura
Share on twitter
Share on pinterest
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Ao atualizar sua política de bem estar animal, um dos maiores varejistas globais se aproxima cada vez mais de uma moda livre de crueldade.


A Asos, uma das maiores lojas online de moda e beleza do mundo, atualizou sua política de bem estar animal decretando o fim do uso de diversas matérias-primas como seda, penas e plumas, lã mohair e cashmere em todos os produtos comercializados em seu e-commerce até o fim de 2019.

Depois dos anúncios de grandes marcas e e-commerces de luxo como Gucci e Net-À-Porter dando adeus à pele, e diversas marcas, como a Zara, tirando o Angora da sua cadeia produtiva, a inglesa vai mais longe ao banir matérias-primas ainda amplamentes utilizadas pela moda. A nova política, mais ampla e condizente com os tempos atuais, também não permite a comercialização de matérias-primas como chifres, conchas, dentes, ossos e pérolas. Couros considerados exóticos como de crocodilo, píton e avestruz, além de pêlos, incluindo peles de cordeiros da Mongólia e Angora, já não eram comercializados pela empresa.

Certos tipos de couro, lã e outros pêlos de animais considerados subprodutos da indústria de carne podem ser comercializados contanto que atestem fornecedores com boa criação de animais – o que, cá entre nós, sabemos ser praticamente impossível. A política também vai exigir um cuidado redobrado por conta dos compradores da marca para garantir que itens verdadeiros não passem como sintéticos. Porém, a atualização de políticas da Asos mostra como as marcas estão cada vez mais afastando sua imagem do universo da exploração animal.

 

Matérias-primas de origem animal não são sustentáveis. 

Outras razões pelas quais marcas estão cada vez mais deixando de usar alguns produtos de origem animal em suas coleções é porque, no fim das contas, essas matérias-primas são 1. difíceis de rastrear e 2. bastante impactantes em termos ambientais. Grupos de luxo, que dependem amplamente dos seus artigos de couro (inclusive os exóticos) como bolsas, carteiras e relógios para continuar nos negócios, estão comprando fazendas de animais para garantir, entre outras coisas, rastreabilidade da matéria-prima. Sem rastreabilidade, as marcas não podem assinar acordos de sustentabilidade e atestar boas práticas na sua cadeia produtiva.

Num universo de fornecedores extremamente descentralizado, com centenas de etapas entre a criação do animal até a pele tratada e pronta para ser utilizada na loja de tecidos, produtos de origem animal estão entre os mais difíceis de serem rastreados. Questione até a marca mais consciente e sustentável que você conhece; mesmo com uma produção enxuta e local, ela jamais saberá com toda a certeza a fazenda de origem do couro que ela usa, por exemplo. Essa pele pode estar (e provavelmente está) linkada com devastação, poluição, crueldade animal e trabalho análogo à escravidão.

Soma-se a isso o fato de que, com uma demanda e pressão crescentes para marcas assinarem acordos de sustentabilidade e acordos globais de menos impacto ambiental, produtos de origem animal são, comprovadamente, mais impactantes que todas as outras matérias-primas e usá-las dificulta o cumprimento dessas promessas. No relatório The Pulse of The Fashion Industry, publicado em 2017 pelo Global Fashion Agenda e a consultoria The Boston Consulting Group, as matérias-primas couro, seda e lã estão entre as 5 mais impactantes ao considerar o início da produção à peça pronta na loja. Sua produção é intensiva em uso de solo, água e químicos, além de estarem diretamente ligadas à eutrofização e contribuição para as mudanças climáticas.

[highlight text=”Deixar de ver animais como matéria-prima é um passo importante para sustentabilidade: encontrar, fomentar e desenvolver fibras e tecidos que não dependam da exploração predatória da natureza é o único caminho possível quando o assunto são têxteis.”]

Um universo de possibilidades para além dos animais (e do plástico). 

A ideia, é claro, não é substituir matérias-primas de origem animal por matérias-primas responsáveis por causar impactos na fauna e na flora igualmente devastadores. É por isso que, quando empresas se comprometem a migrar para uma produção sem materiais como seda e lã, é importante o comprometimento também com o uso de matérias-primas, tanto ancestrais quanto tecnológicas, ainda menos impactantes como algodão orgânico ou algodão certificado Better Cotton Iniciative, fibras celulósicas de origem certificada ou soluções inovadoras como o “couro” de laboratório.

É por isso, também, que deixar de ver animais como matéria-prima é um passo importante para sustentabilidade: encontrar, fomentar e desenvolver fibras e tecidos que não dependam da exploração predatória da natureza é o único caminho possível quando o assunto são têxteis.  O quanto antes deixarmos essa possibilidade para trás, mais rápido vamos chegar num lugar de harmonia entre a moda e todos os seres.

* * *

Jornalismo ecofeminista a favor da justiça socioambiental e climática

Para continuar fazendo nosso trabalho de forma independente e sem amarras, precisamos do apoio financeiro da nossa comunidade. Se junte a esse movimento de transformação.

Continue lendo