apoie o modefica

Somos uma organização de mídia independente sem fins lucrativos. Fortaleça o jornalismo ecofeminista e leve a pauta mais longe.

A Moda Parece Ter Entrado No Debate Sobre Questões De Gênero Para Ficar

Publicada em:
Atualizada em:
Texto
Imagens
min. tempo de leitura
Share on twitter
Share on pinterest
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

O ano de 2016 chegou para provar que os grandes escritórios de pesquisa estavam certos ao apontar como tendência o conceito “sem gênero”. Na semana passada, a gigante do fast-fashion C&A lançou um novo comercial intitulado “Despertar” propondo uma mudança de perspectiva: com fotografia conceitual, homens e mulheres correm livres em meio à natureza; algumas usando cuecas e outros, vestidos, sob as palavras de ordem “misture, ouse, divirta-se”.

No início do mês de março a Zara (outra grande marca do mercado fast-fashion), havia comunicado o lançamento da sua linha “Ungendered”, que inclui 16 itens básicos, com cartela de cor e modelagens minimalistas (muito criticada no mundo inteiro, por sinal). Nos Estados Unidos, o filho de Will Smith, Jaden Smith, se juntou aos criativos da Louis Vuitton para provocar os nervos dos avessos à androginia quando lançaram a campanha feminina Verão 2016 na qual o menino era a estrela. Usando saia, jaqueta, peças com franjas e tudo oque ele tinha direito. Pioneira, em 2015 a multimarca Selfridges criou a pop-up store Agender, uma experiência de compras sem gênero.

Interessante ver como as marcas estão atentas aos anseios das gerações mais novas que, com acesso à informação tão cedo, começam a discutir questões como o sentido da divisão binária entre homem e mulher. Com a popularização do feminismo e da luta pela equidade de gêneros, as pessoas passam a se entender cada vez mais como indivíduos, menos como femininos e masculinos. Que atire a primeira pedra quem nunca comprou uma camiseta masculina com uma estampa incrível ou pegou emprestada uma camisa do namorado.

Historiadora da Universidade de Maryland nos Estados Unidos e autora do livro “Sex and Unisex: Fashion, Feminism and the Sexual Revolution”, Jo Paoletti defende no último trecho de sua obra que “se desejamos uma sociedade com indivíduos que atinjam todo seu potencial, precisamos de uma cultura que reconheça a diversidade humana, que ofereça opções e respeite as escolhas”.

Países como a Suécia, Islândia, Finlândia e Noruega são exemplos de sucesso na luta pela igualdade de gênero. Em abril do ano passado, o pronome pessoal “hen”, com significação neutra, foi incorporado oficialmente ao vocabulário da Suécia e um livro infantil foi escrito utilizando o gênero neutro. As situações mais comuns de uso desse pronome são aquelas em que o sexo da pessoa pouco importa para o entendimento da narrativa.

zara-ungendered
Campanha Zara Ungendered // Reprodução

Essas mudanças de comportamento interferem diretamente no cerne da nossa cultura e para conquistar o mercado, muitas marcas têm levantado a bandeira do “sem gênero”. Aqui no Brasil temos exemplos como a Beira (criada em 2014 por Livia Campos), a Trendt, a BEN e a catarinense NO.ID.

Verdade seja dita, a tão aclamada igualdade de gênero precisa despertar na sociedade a aceitação e o reconhecimento de que nós humanos somos muito mais do que homens e mulheres, negros e brancos, heterossexuais ou homossexuais. Se o mercado de moda acordou para colocar em xeque as denominações binárias, mesmo que ele ainda tenha muito a aprender sobre isso, felizes de nós!

ben-moda-sem-genero
Campanha BEN // Reprodução

Foto Capa: Louis Vuitton SS16 // Reprodução

* * *

Jornalismo ecofeminista a favor da justiça socioambiental e climática

Para continuar fazendo nosso trabalho de forma independente e sem amarras, precisamos do apoio financeiro da nossa comunidade. Se junte a esse movimento de transformação.

Continue lendo