apoie o modefica

Somos uma organização de mídia independente sem fins lucrativos. Fortaleça o jornalismo ecofeminista e leve a pauta mais longe.

10 Passos Para Comprar Roupas de Maneira Mais Consciente

Publicada em:
Atualizada em:
Texto
Imagens
min. tempo de leitura
Share on twitter
Share on pinterest
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Consumo consciente virou pauta constante no último ano. Podemos observar o tema sendo assunto nas grandes revistas de moda, movendo pessoas a criarem novos blogs e sites, e virando motivo de debate dentro de uma macrotendência mundial de comportamento, o lowsumerism.

É importante lembrar, porém, que consumo consciente não é necessariamente sobre comprar produtos ‘verdes’, ou seja, orgânicos, reciclados, naturais, etc. Acima de tudo, consumo consciente é sobre entender os impactos do seu consumo, para além das características do produto em si, levando em consideração o meio-ambiente e as pessoas.

Para falar de consumo consciente, ou ter um consumo consciente, é preciso entender um pouco sobre cadeia de produção, refletir sobre suas necessidades pessoais e as ofertas de mercado. Por fim, é necessário ponderar, com base na informação, os impactos negativos e positivos das opções disponíveis e, só depois, fazer a sua escolha.

Pois é, não é tão simples assim e exige um pouco de dedicação. Mas dessa vez não vim para entrar muito a fundo no debate, mas sim deixar aqui um passo-a-passo que pode ajudar quem está revendo a relação com o consumo, especialmente de moda, a ponderar decisões de compra e fazer escolhas mais conscientes.

 

1. Eu realmente preciso disso?

Essa é uma pergunta difícil de responder se levarmos em consideração que a maioria das pessoas que tem abundância de escolhas de consumo realmente não precisa de mais nada quando o assunto são roupas. Mas a análise aqui deve olhar para âmbitos bem práticos como: a necessidade de substituição de um produto desgastado ou ainda se você está há algum tempo querendo uma peça-chave como uma calça jeans ou macacão. Pensar se você realmente tem necessidade de mais uma roupa vai te ajudar a fazer uma escolha inteligente.

 

[quote text=”Se você não precisa disso, então não é um bom negócio” color=”#c68590″ textcolor=”#ffffff”]

 

2. Eu conseguirei usar a peça várias vezes?

Essa pergunta não é inédita. Consultoras de estilo sempre fazem seus clientes se questionarem sobre a utilidade das peças e aqui nós reafirmamos a necessidade de você se questionar sobre o quão útil uma peça vai ser pra você. Esse deve ser um ponto decisivo na sua escolha de compra – se você amar a peça, ela vestir bem, você se sentir confortável com ela e ter certeza que vai usá-la várias e várias vezes, você já está fazendo uma compra consciente.

 

3. Se é para uma ocasião especial, será que eu não consigo pegar emprestado ou alugar?

Incontáveis vezes presenciei garotas justificando compras duvidosas por conta de uma festa ou evento especial. Nós podemos não estar muito acostumadas com isso, mas contar no grupo do WhatsApp que você precisa de um determinado vestido ou sapato pode te poupar alguns bons reais e uma compra completamente desnecessária. Isso sem contar que alguns sites e guarda-roupas compartilhados contam com opções de aluguel de roupas especiais e que não se limitam apenas a vestidos de gala. Antes de ir às compras, converse com algumas amigas ou veja se o que procura não pode ser alugado.
 

4. Será que eu já não tenho algo muito parecido no guarda-roupa?

Quando compramos coisas muito parecidas é mais fácil ficar com aquela sensação de que ‘não temos nada para usar’. Por isso, respeitando o seu estilo, é importante criar diversidade de peças tendo em mente ocasiões que são cotidianas para você. Não adianta ter várias roupas de balada se você nunca sai de balada, ou ainda ter várias calças ou blusas iguais. Por mais que você ache a peça linda e útil, pense no que você já tem e se realmente o investimento não vai ser um desperdício.
 

5. Não tenho uma peça parada que eu possa trocar ou reformar?

Talvez aquela saia longa parada no seu guarda-roupa possa virar a saia midi que você tanto quer comprar. Pode ser que o tal sapato de salto que você comprou e nunca usou encontre uma nova dona em algum aplicativo de troca de roupas e nele você também ache a calça flare que tanto procura. Antes de comprar, pense em trocar ou reformar as peças paradas no armário.

 

Barbara Casasola

Recorra ao corte e à costura para reformar suas peças // Foto: Kris Atomic via Unsplash
 

6. Essa peça tem realmente o meu estilo?

Então você achou uma peça única e incrível, ela veste bem e você não tem nada parecido no seu guarda-roupas, mas será que essa peça tem mesmo o seu estilo? Se você é uma pessoa que gosta de tons neutros, mesmo que você esteja tentando usar mais cores e estampas, é preciso ponderar se esse vestido floral ou kaftan estampado vai ser realmente uma boa pedida. Não tente um estilo que não seja o seu, mesmo que seja tendência e você ache lindo em outras pessoas. Pode ser um clichê, mas na hora de comprar roupas de maneira consciente você tem que dar preferência para o que te ajuda a ser a melhor versão de você mesma.

 
7. Dá pra fazer um esforço e comprar de uma marca mais consciente ou vintage?

Aqui é o momento no qual falamos sobre melhores escolhas de consumo tendo em vista o produto e a marca. Será que eu realmente não consigo fazer um esforço e comprar uma calça jeans de uma marca nacional, que produz e conhece seus fornecedores, que preza por trocas justas e ainda garante o respeito em suas relações ao invés de uma marca que não faz ideia de onde e como suas peças são produzidas? E se eu trocar a sapatilha convencional por um sapato feito com materiais mais ecológicos e que, de quebra, é bastante único e diferente? Mesmo que o valor desembolsado seja um pouco maior, a ideia é que você escolha um produto que você vai usar várias vezes e durante anos.

Nesse ponto, para ponderar para além do custo, é preciso ter um pouco de noção de cadeia de produção, entender porquê determinados produtos custam mais que outros e que o impacto gerado pelas coisas compradas por nós vai muito além de nós mesmos e do valor financeiro despendido.
 

8. Do que esse peça é feita?

Uma compra consciente é impossível sem entender sobre o produto. Na pergunta acima, você já parou para pensar em como a tal peça pode ter sido produzida e nos impactos socioambientais de sua produção. Agora, chegou a vez de entender do que essa blusa foi feita. É de algodão, poliéster, lã? O material é de origem natural, artificial, animal, sintética? Será que ele é adequado para mim e para as minhas necessidades? Talvez o desconforto que você sente com peças de lã, por exemplo, seja porque você é alérgica ao material. É preciso checar as etiquetas das suas peças, que vêm sempre costuradas na lateral das mesmas, para conferir a matéria-prima das suas roupas e ver se você se dá bem com elas.

Além disso, só depois de saber a matéria-prima com a qual a peça é feita, e o que isso significa, que você pode escolher de maneira realmente consciente. Se for uma peça de couro, você vai saber um pouco sobre a origem do material feito para a confecção do produto, que é diferente da origem do algodão ou da lã.

 

Barbara Casasola

É importante entender um pouco sobre tecidos e matéria-prima // Reprodução
 

9. É uma peça fácil de cuidar e que se encaixa no meu estilo de vida?

A seda, por exemplo, é definitivamente um material que não se encaixa no meu estilo de vida. Entre outros motivos, é um material que não é fácil de ser lavado em casa e, já que não tenho muita disponibilidade de tempo e dinheiro para levar roupas na lavanderia com frequência, se torna pouco prático. Ao considerar a compra de uma roupa, esse tipo de ponto deve ser levantado porque a última coisa que você vai querer é deixar uma peça no armário por ser difícil de lavar – ou então andar com ela suja por ai porque não deu pra lavar, né?
 

10. Estou comprando isso para suprir uma carência emocional?

Quando comemos, quando nos relacionamos, quando bebemos temos que considerar se não estamos fazendo isso para suprir uma carência emocional. Com compras não é diferente. Comprar deve ser divertido, mas não deve ser uma fuga, nem uma recompensa. Roupas novas não vão suprir nossa falta de autoestima, nossa tristeza (ou depressão), nossa carência afetiva, não vão curar um relacionamento vazio, nem uma vida sem propósito. Se a sua relação com o consumo estiver muito frenética, constante ou dolorosa, faça uma auto-avaliação sincera e busque ajuda.

Lembre-se: comprar consciente é ponderar todo o ciclo de vida de um produto – da produção ao descarte. É também entender a sua relação e responsabilidade para com o consumo e se dispor a ter uma olhar mais empático, e menos relacionado com cifras, para com as coisas. Coisas são só coisas, mas por trás delas estão pessoas, animais sencientes, e nossos recursos naturais coletivos envolvidos.

* * *

Jornalismo ecofeminista a favor da justiça socioambiental e climática

Para continuar fazendo nosso trabalho de forma independente e sem amarras, precisamos do apoio financeiro da nossa comunidade. Se junte a esse movimento de transformação.

Continue lendo