apoie o modefica

Somos uma organização de mídia independente sem fins lucrativos. Fortaleça o jornalismo ecofeminista e leve a pauta mais longe.

Agrotóxicos São Racistas? Exemplos de Injustiça Ambiental no Campo e na Mesa

Publicada em:
Atualizada em:
Texto
Imagens
min. tempo de leitura
Share on twitter
Share on pinterest
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Cara Umbra,

Eu sei que deve haver uma ligação entre a fabricação de pesticidas e a injustiça racial, mas estou tendo problemas para rastreá-la.

Ass. Algo Parece Eticamente Desagradável para Ele

 

Querido APEDE,

Acho que seus instintos são muito bons! Se você girar a roda de desgraças ambientais – possivelmente um dos programas de auditório mais deprimentes de todos os tempos (e isso num universo que inclui The Bachelor) -, as chances de que qualquer problema no qual a seta repouse esteja conectado à injustiça racial são muito grandes. Isso porque a injustiça racial está profundamente enraizada na sociedade americana, então ela tende a desempenhar um papel na maioria dos conflitos.

Como regra geral, todo conflito ambiental tem a exploração em seu centro: alguma entidade (geralmente uma corporação, um governo ou outra entidade poderosa) lucrando sobre algum recurso natural (água, petróleo, florestas), em detrimento da comunidade que depende desse recurso.

O caso dos pesticidas, no entanto, é um pouco mais multifacetado: imagine um agricultor que está pulverizando produtos químicos, aprovados para uso pelo Governo Federal, em seus campos a fim de cultivar com mais eficiência suas safras para as pessoas em todo o país comerem. Digamos que as pessoas que estão plantando e colhendo as safras naquela fazenda comecem a ficar doentes como resultado do contato regular com esses pesticidas. Além disso, esses produtos químicos também chegam ao ar, solo e águas subterrâneas locais. Agora, as pessoas que moram perto da fazenda também estão adoecendo.

Esse cenário exato ocorreu recentemente com o Clorpirifós, um pesticida amplamente usado, com ligações comprovadas a danos cerebrais em crianças. Também foi comprovado que ele adoeceu muitos trabalhadores rurais, todos migrantes do México e da América Central e provavelmente elas não irão relatar suas doenças por medo de perder seus empregos. Depois de anos de pressão de ativistas, principalmente mulheres latinas moradoras no Vale Central da Califórnia, o estado finalmente proibiu o uso e a venda do produto químico. O Havaí movimentou-se da mesma forma. Enquanto isso, a Agência de Proteção Ambiental, ou EPA (“Environmental Protection Agency”), se recusou a banir o Clorpirifós, chegando a ponto de censurar o testemunho dos trabalhadores rurais em sua decisão (há um ano, essa recusa foi contestada por um tribunal federal – foi uma saga).

Então aqui está uma conexão de injustiça racial. Os Estados Unidos descarregam o risco ambiental de forma infame sobre as pessoas trabalhando em seus campos e cultivando seus alimentos, ao mesmo tempo que as tratam como inferiores a humanos. Os trabalhadores agrícolas dos EUA são, em sua maioria, pessoas de cor indocumentadas, e sua saúde e seus direitos não parecem importar para o governo, especialmente se estes direitos infringirem os lucros de grandes empresas químicas responsáveis por fabricar e vender estes pesticidas. Na verdade, os Estados Unidos ainda adotam muitos pesticidas que foram proibidos na União Europeia, até no Brasil e na China devido aos seus impactos ambientais e à saúde humana. Enquanto isso, as pessoas que compram esses produtos agrícolas nunca precisam realmente confrontar como ele foi parar em seu carrinho de compras. Esse sistema é a definição de injustiça.

Os defensores dos detalhes podem notar que ainda não abordei as implicações para a saúde da fabricação de pesticidas. Acalme-se! Uma avaliação geral comissionada pela EPA, em 1972, dos impactos ambientais da criação de pesticidas concluiu que “em geral, os impactos ambientais da fabricação / formulação / embalagem / marketing de pesticidas parecem ser pequenos em comparação aos resultantes do uso desses produtos pelo consumidor”. Pode-se dizer que isso é bastante prejudicial, pois os impactos ambientais do uso de pesticidas pelos consumidores estão, claramente, longe de serem insignificantes.

Comunidades não-brancas suportam o impacto imediato da produção e de outras fontes de poluição nos Estados Unidos porque tendem a estar localizadas em zonas industriais poluídas (você pode ter ouvido falar deles como “fenceline communities” 1referente a um bairro imediatamente adjacente a uma empresa, que é diretamente afetado pelo ruído, odores, emissões químicas, trânsito da mesma no jargão de nossos tempos). Isso não é uma coincidência; moradias mais baratas são direcionadas para perto de áreas contaminadas e vice-versa. Portanto, se você seguir seus instintos e rastrear a maioria dos pesticidas até o local onde foram feitos, provavelmente encontrará mais disparidades raciais em quem tende a viver nas proximidades.

A jornalista Rachel Aviv escreveu um perfil, em 2014, do renomado biólogo Tyrone Hayes, que lutou contra a Syngenta, produtora do Atrazina, um pesticida amplamente utilizado – que, aliás, a EPA de Trump defendeu firmemente. A Atrazina é um desregulador endócrino, que Hayes descobriu ter efeitos devastadores no desenvolvimento sexual dos anfíbios. Também está relacionado a vários problemas de saúde humana. A Syngenta tentou desacreditar Hayes, que é negro, alegando que ele era mentalmente instável e que seus resultados não podiam ser replicados, mas Hayes se recusou a recuar. A coisa toda realmente explodiu.

Esta citação do perfil feito por Aviv chamou a atenção para mim: “em algumas de suas palestras, Hayes alertou que as consequências do uso da Atrazina eram desproporcionalmente sentidas por pessoas não-brancas. ‘Se você é negro ou hispânico, é mais provável que more ou trabalhe em áreas onde está exposto à porcaria’, ele disse”. Não há melhor maneira de resumir a situação.

Pesticidas tóxicos (e qualquer outra ameaça à saúde humana que desproporcionalmente atinja comunidades não-brancas) não são tanto causas de injustiça racial, mas sim sintomas dela. Usados indiscriminadamente e sem regulamentação, eles são prejudiciais à nossa sociedade e sempre irão prejudicar aqueles que não têm riqueza e acesso para se protegerem.

Você está seguindo seus instintos e fazendo as perguntas certas, e isso é metade da batalha!

Curiosamente,

Umbra

Texto escrito por Eve Andrews. Artigo originalmente publicado em Grist e traduzido com autorização para o Modefica. Leia o artigo original aqui.

* * *

Jornalismo ecofeminista a favor da justiça socioambiental e climática

Para continuar fazendo nosso trabalho de forma independente e sem amarras, precisamos do apoio financeiro da nossa comunidade. Se junte a esse movimento de transformação.