Será Que as Pessoas Topariam Comprar Produtos Feitos com CO2 Capturado?

Você beberia um refrigerante feito com dióxido de carbono (CO2) capturado da chaminé de uma fábrica ou usina de energia? Como você se sentiria se o dióxido de carbono capturado estivesse nos brinquedos do seu filho ou no concreto embaixo da sua casa?

A tecnologia para capturar as emissões de dióxido de carbono de chaminés – que causam as alterações climáticas – e até mesmo do ar ao nosso redor, já existe; também já existe a tecnologia para usar esse dióxido de carbono para fazer produtos como plásticos, concreto, refrigerantes e até mesmo combustível para aeronaves e automóveis.

Essa combinação – conhecida como captura e utilização de carbono (CUC) – poderia consumir bilhões de toneladas de emissões de dióxido de carbono se as tecnologias fossem adotadas em uma série de setores em todo o mundo.

Mas para que isso aconteça, o público terá que aceitar esses novos produtos. Irão eles? Essa é uma questão que temos explorado como engenheiros que trabalham com tecnologias de captura de carbono e como psicólogos.

Publicidade

 

Uma chave para o sucesso: CUC agrega valor econômico

Estudos mostram que, para estabilizar o clima até 2050, o mundo terá que fazer mais do que apenas parar as emissões de gases de efeito estufa. Também terá que remover grandes quantidades de dióxido de carbono da atmosfera. Árvores, solos e oceanos armazenam naturalmente algum dióxido de carbono, mas as atividades humanas produzem cerca de cinco vezes mais do que a natureza pode suportar.

É por isso que as tecnologias que podem reutilizar o dióxido de carbono para evitar o uso de combustível fóssil – ou ainda melhor, prendê-lo em produtos de longa vida, como o cimento – são essenciais. A chave para o potencial de captura e utilização de carbono é que esses produtos têm valor econômico. Esse valor pode dar às empresas o incentivo para implantar a tecnologia em escala global necessária para desacelerar as mudanças climáticas.

A tecnologia de captura de carbono em si não é nova. Inicialmente, o dióxido de carbono capturado foi usado para retirar petróleo e gás de poços antigos. Uma vez que as emissões são capturadas, normalmente de uma chaminé industrial por meio de um filtro químico complexo, elas podem ser bombeadas para o subsolo e armazenadas em reservatórios de petróleo esgotados ou formações rochosas porosas. Isso impede que o dióxido de carbono atinja a atmosfera, onde pode contribuir para as mudanças climáticas.

Mas armazenar dióxido de carbono no solo não cria um novo produto. A ausência de retorno econômico – juntamente com as preocupações sobre o armazenamento subterrâneo de dióxido de carbono têm retardado a adoção da tecnologia na maioria dos países.

 

Como as pessoas se sentem em relação aos produtos à base de dióxido de carbono?

Para muitos produtos feitos com dióxido de carbono capturado, o sucesso dependerá da aceitação do público.

Dois de nós recentemente conduzimos um dos primeiros estudos em grande escala para examinar a percepção pública de produtos à base de dióxido de carbono nos EUA para descobrir. Perguntamos a mais de 2.000 participantes da pesquisa se eles estariam dispostos a consumir ou usar vários produtos à base de dióxido de carbono, incluindo refrigerantes, recipientes de plástico para armazenamento de alimentos, móveis feitos de espuma ou plástico e vidro à prova de estilhaçamento.

Descobrimos que a maioria das pessoas sabia pouco sobre captura e uso de carbono. No entanto, 69% ficaram abertos à ideia depois de aprender como funcionava e como ajudava a reduzir as emissões que contribuem para as mudanças climáticas.
 

 


 
Houve uma exceção quando perguntamos sobre os diferentes tipos de produtos que as pessoas estariam dispostas a usar: menos pessoas – apenas 56% – estavam abertas à ideia de usar dióxido de carbono capturado em refrigerantes.

A segurança foi uma preocupação para muitas pessoas na pesquisa. Um terço não sabia se esses produtos poderiam representar um risco para a saúde, e outros pensaram que sim. É importante entender que os produtos feitos com dióxido de carbono capturado estão sujeitos aos mesmos regulamentos de segurança que os materiais tradicionais usados em alimentos e produtos de consumo. Isso inclui a filtragem de poluentes indesejados nos gases de combustão antes de usar o dióxido de carbono em refrigerantes ou plásticos.

Quando o dióxido de carbono é usado como matéria-prima, ele se torna quimicamente estável uma vez que é usado para criar um produto, o que significa que o dióxido de carbono usado para criar o plástico não se transformará em gás por conta própria.

O que as pessoas podem não perceber é que a maior parte do dióxido de carbono usado atualmente em todo o país já é um subproduto de combustível fóssil do processo de reforma do vapor-metano. Esse dióxido de carbono é amplamente utilizado para fins que incluem a fabricação de gelo seco, a realização de certos procedimentos médicos e a gaseificação de seu refrigerante favorito.

No geral, descobrimos que as pessoas estavam abertas ao uso desses produtos, e essa tendência cruzou todas as idades, níveis de educação e ideologias políticas.

Publicidade

A captura e uso de carbono já tem apoio bipartidário em Washington, e o Departamento de Energia está financiando pesquisas em gestão de carbono. O apoio bipartidário ao consumidor poderia expandir rapidamente seu uso, criando outra maneira de manter as emissões de carbono fora do ar.

Mais de 77 milhões de toneladas de dióxido de carbono foram capturados em todo o mundo em 2020, mas o uso desse dióxido de carbono fica para trás. Um uso que está se expandindo rapidamente é o dióxido de carbono para curar ou endurecer concreto. Uma empresa chamada CarbonCure, por exemplo, armazena permanentemente mais de 90 mil toneladas de dióxido de carbono capturado em concreto até o momento.

Recentemente, a Unilever e seus parceiros fizeram um teste piloto de substituição do etanol de base fóssil por etanol de dióxido de carbono para a fabricação de detergente para a roupa, reduzindo significativamente as emissões de etanol associadas. Ambos são métodos de custo competitivo para capturar e usar dióxido de carbono e demonstram por que a captura e o uso de carbono podem ser a forma mais amigável para o mercado de remover o dióxido de carbono em grande escala.

 

Como os inovadores podem melhorar a percepção do público

Algumas tecnologias emergentes podem ajudar a lidar com os riscos percebidos de ingestão de carbono capturado de emissões industriais.

Por exemplo, uma subsidiária da Coca-Cola está testando um projeto em que o dióxido de carbono é capturado diretamente do ar ambiente usando a tecnologia de captura direta de carbono do ar e depois usado em bebidas. Embora atualmente seja caro, espera-se que os custos da captura direta de carbono no ar caiam à medida que seja usado de forma mais ampla, e seu uso pode reduzir as preocupações das pessoas sobre os riscos à saúde.

As etapas mais importantes podem ser educar o público sobre o processo e o valor dos produtos à base de dióxido de carbono. As empresas podem aliviar as preocupações sendo abertas sobre como usam o dióxido de carbono, por que seus produtos são seguros e os benefícios que trazem para o clima.

Texto escrito por Lucca Henrion, Joe Árvai, Lauren Lutzke, Volker Sick. Artigo originalmente publicado em The Conversation e traduzido com permissão para o Modefica sob licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Nota da Editora: a tecnolocia de produtos feitos de carbono capturado é um processo de geoengenharia e temos ciência das diversas questões acerca das problemáticas apontadas para essa proposta, principalmente no que diz respeito à justiça socioambiental, um ponto fundamental para nós enquanto organização, como também no que diz respeito ao retorno desse CO2 na atmosfera no processo de decomposição desses produtos. Entretanto, acreditamos na pertinência do debate.

Conheça e faça parte do Clube Modefica!
O Modefica é uma mídia independente que pensa moda, arte, alimentação e política para resiliência social e ecológica. Para manter nosso conteúdo aberto e acessível para todas as pessoas, nós precisamos da sua colaboração.
Gostou desse texto? Clique aqui e contribua com o Clube Modefica e ajude nosso conteúdo ir mais longe para amplificar a transformação positiva.
Gostou dessa matéria? Compartilhe.
Tags

. .