apoie o modefica

Somos uma organização de mídia independente sem fins lucrativos. Fortaleça o jornalismo ecofeminista e leve a pauta mais longe.

Zara e C&A Estão Entre as 20 Grandes Marcas Mais Transparentes do Brasil

Publicada em:
Atualizada em:
Texto
Imagens
min. tempo de leitura
Share on twitter
Share on pinterest
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

A ONG Fashion Revolution Brasil lançou, este mês, o 1º Índice de Transparência da Moda, uma versão nacional do Fashion Transparency Index com financiamento do Instituto C&A, parceria técnica do Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (FGVces) e apoio institucional da Associação Brasileira do Varejo Têxtil (ABVTEX). Como define a própria ONG, o Índice de Transparência da Moda é uma análise desenvolvida pelo Fashion Revolution CIC e indica em que medida grandes marcas da indústria estão divulgando publicamente suas informações em prol de uma maior prestação de contas.

O projeto existe globalmente desde 2016 e revisa e classifica marcas e varejistas de acordo com a disponibilização de dados públicos em seus canais de comunicação sobre suas políticas, práticas e impactos sociais e ambientais em toda a cadeia de valor. Ou seja, o quanto as marcas sabem e estão dispostas a falar sobre suas práticas e as práticas de seus fornecedores.

O principal objetivo da iniciativa é pressionar marcas para que elas identifiquem, se responsabilizem e resolvam questões inerentes ao funcionamento do negócio, desde trabalho infantil na plantação do algodão ao descarte de toneladas de sobras têxteis de forma irresponsável. Para Carry Sommers, fundadora e diretora global de operações do Fashion Revolution, que marcou presença no lançamendo do índice na última quinta-feira, da mesma forma que as marcas globais tiveram que se adaptar rapidamente a esse ambiente em transformação, as marcas brasileiras farão isso em breve.

Nessa primeira edição, 20 das maiores marcas atuantes em território nacional foram analisadas: Animale, Brooksfiled, C&A, Cia Marítima, Ellus, Farm, Havaianas, Hering, John John, Le Lis Blanc Deux, Malwee, Marisa, Melissa, Moleca, Olympikus, Osklen, Pernambucanas, Renner, Riachuelo e Zara. Dentre elas, 75% pontuaram 30% ou menos, enquanto 40% das marcas ficaram com zero na pontuação. A pontuação média geral é de apenas 17%. Zara, Malwee e C&A estão entre as melhores pontuadas no índice.

 

Na base da transparência

O Fashion Revolution surgiu como um movimento que incentiva pessoas a se questionerem e questionarem marcas sobre “quem fez minhas roupas?”.  Hoje, produtos de moda são produzidos de forma fragmentada, em centenas de etapas e em dezenas de fábricas com uma diversidade de fornecedores inacreditável se compararmos com o antigo modelo horizontal de produzir roupas, onde tudo acontecia dentro do mesmo prédio e era de total responsabilidade da marca.

Como o relatório explica, o atual sistema produtivo funciona na base da subcontratação: uma marca pode fazer um pedido de produção para um fornecedor, que divide o pedido e subcontrata o trabalho com outras fábricas. Isso acontece regularmente em toda a indústria e torna extremamente difícil monitorar aspectos relacionados aos direitos humanos e impactos ambientais. A subcontratação não autorizada faz com que os trabalhadores se tornem de fato invisíveis na cadeia de fornecimento, e é onde tendem a ocorrer os maiores riscos de violação dos direitos humanos e degradação ambiental.

É nesse momento que a transparência entra em ação. Ao dar mais visibilidade e ser mais transparente sobre as relações e condições comerciais, de trabalho e ambientais nas cadeias de fornecimento, o movimento acredita que os problemas podem ser resolvidos e as soluções podem ser encontradas mais rapidamente. Significa também que exemplos e histórias positivas podem ser ressaltados, compartilhados e potencialmente replicados em outros lugares.

 

Metodologia

“Quando falamos em maior transparência, estamos buscando a divulgação pública sobre as relações de fornecimento das empresas, bem como de suas políticas, compromissos sociais e ambientais, objetivos, metas, desempenho e progresso”, explica o relatório.

Por esse motivo, a metodologia revisa e classifica somente as informações e dados divulgados publicamente pelas próprias marcas e varejistas dentro de cinco seções: políticas e compromissos; governança; rastreabilidade da cadeia de fornecimento; avaliação e remediação de fornecedores; e tópicos em destaque. Nesta última, foram abordados temas atuais, como salários justos para viver, resíduos e empoderamento feminino.

Os pontos são concedidos apenas com base nas informações divulgadas publicamente através de canais como sites, relatórios anuais e demonstrativos financeiros. A pontuação máxima de uma marca pode ser 250 pontos e a mínima é zero: não respondeu ao questionário complementar e não tem nenhuma informação pública sobre os pontos mencionados acima. Uma observação interessante é que muitas das marcas analisadas publicaram informações novas no próprio site quando souberam que seriam incluídas no Índice.

 

Descobertas em destaque

Entre as mais bem pontuadas estão a varejista holandesa C&A com 53% dentre uma possibilidade de 100% (ou 250 pontos), a brasileira Malwee com 51% e a espanhola Zara com 40%. As outras gigantes do varejo Renner e Riachuelo ficaram na faixa de pontuação 21 – 30%. Das 20 marcas analisadas, 8 ficaram com 0%, ou seja, não disponibilizam nenhum informação sobre suas cadeias de fornecimento. São elas: Brooksfiled, Cia Marítima, Ellus, John John, Le Lis Blanc Deux, Melissa, Moleca e Olympikus.

 

Gênero e Raça

Uma confirmação do que já estamos falando há um bom tempo por aqui é o fato das marcas não serem sensíveis às desigualdades de gênero e raça: apenas 1 marca publica dados sobre a prevalência de violações trabalhistas baseadas em gênero nas instalações de fornecedores; apenas 1 marca divulga anualmente a diferença de salários entre os gêneros dentro da empresa; apenas 1 marca publica a divisão por cor ou raça, considerando dados de diferentes níveis hierárquicos e apenas 30% das marcas publicam uma estratégia e metas quantitativas relacionadas ao empoderamento das mulheres. Ao olhar para divulgação da lista de fornecedores, nenhuma inclui distribuição por raça ou gênero.

 

Questões Ambientais

Somente 2 marcas (10%) divulgam políticas direcionadas aos fornecedores sobre emissões de carbono e redução de energia, 3 (15%) revelam políticas sobre proteção da biodiversidade, 6 (30%) publicam políticas sobre o tratamento de efluentes e apenas 3 (15%) publicam políticas sobre o consumo de água nas instalações dos fornecedores e, por fim, 6 (30%) divulgam uma política sobre o gerenciamento de resíduos têxteis e reciclagem.

Somente 15% das marcas e varejistas publicam um relatório anual de sustentabilidade ou de responsabilidade social corporativa (RSC), no qual as informações não financeiras são auditadas ou verificadas por um terceiro independente.

Você pode acessar o relatório completo aqui.

* * *

Jornalismo ecofeminista a favor da justiça socioambiental e climática

Para continuar fazendo nosso trabalho de forma independente e sem amarras, precisamos do apoio financeiro da nossa comunidade. Se junte a esse movimento de transformação.

Continue lendo