apoie o modefica

Somos uma organização de mídia independente sem fins lucrativos. Fortaleça o jornalismo ecofeminista e leve a pauta mais longe.

Relatório da openDemocracy Revela que Gigante do Petróleo Vigiou Ativistas Climáticos

Publicada em:
Atualizada em:
Texto
  • Autor Convidado
Imagens

Victória Lobo

9 min. tempo de leitura
Share on twitter
Share on pinterest
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

A gigante do petróleo e do gás British Petroleum - BP passou anos espionando ativistas ambientais pacíficos - e até contratou uma empresa de inteligência privada criada por um ex-agente do MI6. Um novo relatório da openDemocracy, publicado em 18 de outubro, revela uma rede “chocante” de vigilância que identificou que a BP mantém o controle sobre os ativistas e compartilha informações com instituições públicas, incluindo o Museu Britânico e a Universidade de Warwick.

Os alvos da empresa incluem Chris Garrard, um compositor de música clássica com doutorado pela Universidade de Oxford. O homem de 34 anos de Basingstoke trabalha com o grupo Art Not Oil, fazendo campanha contra o patrocínio de décadas da BP ao Museu Britânico.

Ao longo de vários anos, a BP reuniu detalhes pessoais sobre Garrard, incluindo uma imagem de CFTV 1 Circuito fechado ou circuito interno de televisão é um sistema de televisão que distribui sinais provenientes de câmeras localizadas em locais específicos, para um ou mais pontos de visualização. do ativista em uma estação de trem de Londres em 2015, quando compareceu à reunião geral anual da gigante do petróleo. Abaixo da imagem, uma nota dizia: “Homem, com barba ruiva, observado segurando uma faixa de protesto fora do Excel Center”.

A gigante do petróleo também obteve várias outras fotos de Garrard e comentou sobre as mudanças em seu penteado. Um memorando dizia: “Costumava ter dreadlocks longos. Agora cabelo curto”. A empresa petrolífera se comprometeu publicamente com uma política de ‘net zero’ e afirmou que está “mudando fundamentalmente” para se tornar mais verde. Mas documentos obtidos pela openDemocracy revelam que ela passou anos reunindo informações sobre seus críticos.

“É muito obscuro”, disse Garrard ao openDemocracy. “Saber que essas imagens CCTV podiam ser acessadas dessa forma foi realmente preocupante… Acho bastante perturbador que a BP foi capaz de fazer isso”.

A petrolífera também contratou os serviços da Welund, uma controversa empresa de espionagem, para fornecer atualizações regulares por e-mail sobre Garrard. Isso continuou entre pelo menos julho de 2019 e janeiro deste ano e incluiu detalhes sobre sua atividade nas redes sociais.

Welund – o nome comercial da Papea Ltd – mantém os detalhes de seu trabalho bem guardados, mas estabeleceu uma reputação por ensinar a indústria do petróleo a entender “a ameaça ativista”. No site, a Welund afirma trabalhar para “monitorar as ameaças representadas por grupos de campanha nacionais e internacionais”, e sua lista de clientes inclui muitas das maiores empresas de petróleo e gás do mundo. A Welund enfrentou críticas no ano passado, quando foi revelado ter assinado um contrato anual de £ 12.000 (R$ 92.450), fornecendo informações sobre ativistas para a prefeitura de Londres.

Relatórios dizem que um dos altos executivos da empresa descreveu o movimento verde como uma “ameaça existencial” para a indústria de petróleo e gás.

Hoje, um porta-voz da BP admitiu: “usamos a consultoria de risco Welund para monitorar e revisar materiais de domínio público, como postagens em mídias sociais, que poderiam nos ajudar a gerenciar esses e outros riscos”. Nenhuma das informações coletadas sobre Garrard sugeriu que ele estava engajado em protesto físico ou perturbação. Em vez disso, o musicólogo prefere se concentrar em pesquisas e em campanhas pacíficas.

Um dos altos executivos da empresa descreveu o movimento verde como uma “ameaça existencial” para a indústria de petróleo e gás.

A diretora da Big Brother Watch, Silkie Carlo, disse que a vigilância de Garrard foi “extremamente intrusiva, chocante e totalmente inaceitável”. “Este é um caso terrível e totalmente injustificado de espionagem política”, disse ela. “O Gabinete do Comissário de Informação deve investigar Welund e todos os envolvidos na perseguição deste ativista e garantir que as coisas sejam corrigidas”.

O papel da BP na vigilância de ativistas surge em meio à tentativa da gigante do petróleo de se rebatizar como uma empresa mais ecologicamente correta. Seu CEO, Bernard Looney, se comprometeu a “ajudar o mundo a chegar ao net zero” com o objetivo de ser “reconhecido como um líder em transparência de relatórios”.

Philip Evans, ativista da transição de petróleo e gás do Greenpeace no Reino Unido, disse: “Os relatórios desse tipo de vigilância são perturbadores e mostram um conjunto de prioridades completamente distorcido”.

“Universidades, instituições culturais – e principalmente as empresas de combustíveis fósseis – deveriam parar imediatamente de perder tempo e dinheiro com a lavagem verde e monitoramento de ativistas e, em vez disso, direcionar todos os seus esforços para enfrentar a crise climática”.

Welund disse a Garrard não possuir dados pessoais sobre ele, alegando que apenas retém dados pessoais de funcionários e clientes. Mas e-mails da BP mostram que a empresa de espionagem estava enviando atualizações regulares que mencionaram especificamente Garrard.

Memorandos do Museu Britânico

No ano passado, Garrard enviou uma série de solicitações de Liberdade de Informação (FOI) ao Museu Britânico sobre sua relação com a BP. E-mails internos mostram como eles foram sinalizados pela equipe do museu e compartilhados por vários departamentos, descrevendo-o como “um ativista anti-BP”.

Os ativistas por transparência dizem que isso vai contra as diretrizes de Liberdade de Informação 2 “Freedom of Information” (FOI) é o conjunto de leis americanas descrito como a lei que mantém os cidadãos “informados” sobre seu governo. , já que as solicitações devem ser tratadas com “requerentes cegos” [de forma anônima], independentemente de quem sejam. “O Museu Britânico é financiado publicamente e deve aderir aos princípios da Lei de Liberdade de Informação”, afirmou Garrard. “Se eles não seguem as regras públicas, deve-se questionar se eles devem receber dinheiro público”.

O Museu Britânico – que se recusa a revelar quanto dinheiro recebe da BP – disse ao openDemocracy que “até onde eles sabem” sua equipe não recebeu informações da BP ou da Welund sobre ativistas. Mas divulgações anteriores lançam dúvidas sobre isso. Durante uma troca em 2015, um funcionário do museu escreveu: “Recebemos uma ligação do cliente [BP] dizendo que tinha informações de que havia alguma atividade de protesto planejada em torno deste evento. Eles não têm certeza, neste estágio, de qual é a atividade”.

Garrard disse ao openDemocracy que os pedidos de FOI que ele enviou ao museu eram “questões legítimas que você esperaria que uma instituição financiada pelo contribuinte respondesse”.

‘Segurança discreta’ em Warwick

O relatório também revela que a Warwick University colaborou com a BP em uma estratégia de segurança sobre um aluno que estava pesquisando o arquivo da BP, que fica no campus de Warwick. O nome Connor Woodman foi sinalizado com os dizeres “segurança muito discreta” em 2015, depois que solicitou acesso aos registros.

E-mails internos mostram que uma equipe de segurança foi destacada para vigiá-lo pessoalmente e em CFTV, além de monitorar sua atividade nas redes sociais. Isso aconteceu depois que um funcionário da BP o identificou, dizendo: “Eu o reconheci pela foto do Facebook que temos do grupo de estudantes de Warwick contra combustível fóssil”.

Os e-mails mostram que Woodman foi repetidamente identificado pela equipe, com a universidade e os funcionários da BP compartilhando atualizações sobre seus movimentos.

Funcionários da universidade deram instruções para monitorá-lo, dizendo: “Discreto, sem alta visibilidade. Acho que [um membro da equipe de segurança] deveria sentar-se dentro do arquivo da BP … Posso ver [Woodman] filmando-os e pedindo comentários e, em seguida, alegando que ele está sendo monitorado e perguntando o que estamos escondendo”. Ele acrescentou: “Segurança delicada e muito discreta apenas, por favor.”

Outro e-mail de um remetente desconhecido avisou que um aluno estava “fazendo muitas perguntas sobre a BP”. Eles acrescentaram: “Estaremos vigilantes – oportunidade de usar seu novo CFTV!”

Woodman era um ativista climático de um grupo chamado Fossil Free Warwick, que pressionou com sucesso a universidade a se desfazer dos combustíveis fósseis. Ele então criou um grupo chamado BP Off Campus.

Mas os documentos internos vistos pelo openDemocracy não o acusam de violar nenhuma lei ou violar as regras da universidade. Na verdade, Woodman disse que não tinha se envolvido em nenhuma ocupação no campus na época e afirma que seus objetivos de pesquisa eram “completamente apropriados”.

Universidades, instituições culturais – e principalmente as empresas de combustíveis fósseis – deveriam parar imediatamente de perder tempo e dinheiro com a lavagem verde e monitoramento de ativistas e, em vez disso, direcionar todos os seus esforços para enfrentar a crise climática.

Philip Evans

Em uma troca, um funcionário da BP escreveu para a universidade dizendo: “Connor Woodman (o cavalheiro que lidera a campanha estudantil no campus) estava próximo ao [arquivo da universidade] há alguns minutos e alguns outros alunos também foram notados”. “Não estou insinuando que isso seja qualquer coisa menos legítimo, mas apenas queria mantê-lo avisado sobre as informações”.

Um funcionário da universidade respondeu: “Isso é muito útil… [Woodman] certamente está muito ativo no momento e acha que deveria ser supervisionado em seu arquivo, se isso for possível”.

Woodman disse ao openDemocracy: “esta é mais uma evidência de que qualquer tipo de noção de liberdade acadêmica está sendo cada vez mais corroída. Há uma questão política e moral sobre se queremos universidades que têm interesse em diminuir a dissidência. Se quisermos proteger essa ideia liberal de liberdade acadêmica, precisamos pensar em reformas estruturais massivas em nossas universidades”.

‘Monitorar e revisar’

Depois de ignorar as perguntas da openDemocracy por dias, BP acabou respondendo depois que os detalhes dessa investigação foram compartilhados com o Sunday Times.

Um porta-voz da empresa disse: “Os eventos da BP viram protestos legítimos ao longo de muitos anos, mas também foram alvo de ações mais perturbadoras e, às vezes, potencialmente perigosas. Apoiamos o direito das pessoas de se manifestarem pacificamente, mas temos a responsabilidade pela segurança e proteção daqueles em nossos eventos e é importante compreender todos os riscos”.

Eles acrescentaram: “usamos a consultoria de risco Welund para monitorar e revisar materiais de domínio público, como postagens em mídias sociais, que poderiam nos ajudar a gerenciar esses e outros riscos”.

Welund não respondeu às perguntas da openDemocracy.

Um porta-voz de Warwick afirmou que a universidade “não monitora ativistas climáticos, mas fornecerá suporte de segurança se solicitado”. Eles acrescentaram: “o Arquivo BP está localizado no mesmo prédio do Modern Records Center, mas é uma organização separada. Não é uma instalação administrada pela Universidade e o acesso é concedido pelo Arquivo BP, que tem sua própria equipe separada e arranjos de segurança. A equipe de Warwick não tem acesso aos arquivos da BP”.

Um porta-voz do Museu Britânico disse à openDemocracy: “nada foi compartilhado com a BP sobre ativistas ou grupos de campanha específicos. É possível que algumas referências tenham sido incluídas em um resumo maior, como um resumo de clipes de imprensa após [um] anúncio ou abertura de uma exposição em que a BP é o patrocinador”.

Eles acrescentaram que o museu possui políticas de FOI padrão em vigor, acrescentando: “Se alguma vez notificamos um terceiro externo sobre uma FOI, nossa política é fazer isso mantendo o anonimato”. Por fim, o porta-voz do museu confirmou que a BP patrocina o museu, mas se recusou a dizer quanto dinheiro recebeu dele, alegando ser uma informação “comercialmente sensível”.

Texto escrito por Martin Williams, Lucas Amin e Gabriel Pogrund. Artigo originalmente publicado em Open Democracy e traduzido com permissão para o Modefica sob licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.
* * *

Jornalismo ecofeminista a favor da justiça socioambiental e climática

Para continuar fazendo nosso trabalho de forma independente e sem amarras, precisamos do apoio financeiro da nossa comunidade. Se junte a esse movimento de transformação.