apoie o modefica

Somos uma organização de mídia independente sem fins lucrativos. Fortaleça o jornalismo ecofeminista e leve a pauta mais longe.

Escritos de Angela Davis Ganham Mais Uma Publicação em Português

Publicada em:
Atualizada em:
Texto
  • Marina Colerato
Imagens

Reprodução

2 min. tempo de leitura
Share on twitter
Share on pinterest
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Alinhado com a passagem de Angela Davis pelo Brasil, ganhamos mais uma publicação da ativista negra, feminista e vegana americana.

Lançado pela editora Boitempo, “Mulheres, Cultura e Política” é uma compilação de discursos e artigos que dá sequência ao bem sucedido “Mulheres, Raça e Classe”, publicado em português no ano passado. A obra é dividida em três eixos temáticos: “Sobre as mulheres e a busca por igualdade e paz”, “Sobre questões internacionais” e “Sobre educação e cultura”. Os escritos bordam as mudanças políticas e sociais pelas quais o mundo passou nas últimas décadas em relação à igualdade racial, sexual e econômica.

O livro conta com uma avalanche de dados históricos e estatísticos sobre as condições das mulheres, da classe trabalhadora e da população negra nos Estados Unidos durante o governo Reagan, mostrando como a política pode fortalecer ou, o que mais comumente vemos acontecer, enfraquecer grupos sociais oprimidos. Ao mesmo tempo, Angela Davis faz reflexões importantes sobre a resistência representada pelos movimentos sociais e sobre o potencial de conscientização e contestação da educação e das artes, em especial a pintura, a fotografia e o blues. Por meio dessa reflexão, a autora argumenta sobre a importância da convergência dos diversos grupos, em diferentes países, em torno de interesses comuns para a construção de um mundo menos desigual.

Se não tivermos medo de adotar uma postura revolucionária – se desejarmos, de fato, ser radicais em nossa busca por mudança –, precisaremos atingir a raiz da nossa opressão. Afinal, radical significa simplesmente compreender as coisas desde a raiz.

Angela Davis

“Mulheres, Cultura e Política” também aprofunda o debate em torno do racismo do feminismo branco, amplamente desenvolvido em “Mulheres, Raça e Classe”, e faz ligações importantes entre o movimento negro americano e o movimento de povos oprimidos na América Latina, Oriente Médio, África, Ásia e Caribe. É uma leitura densa em conhecimento, mas com uma linguagem acessível e didática.

* * *

Jornalismo ecofeminista a favor da justiça socioambiental e climática

Para continuar fazendo nosso trabalho de forma independente e sem amarras, precisamos do apoio financeiro da nossa comunidade. Se junte a esse movimento de transformação.