apoie o modefica

Somos uma organização de mídia independente sem fins lucrativos. Fortaleça o jornalismo ecofeminista e leve a pauta mais longe.

A Tempestade Perfeita: 3 Livros Que Ajudam a Pensar em Questões Próprias do Nosso Tempo

Publicada em:
Atualizada em:
Texto
  • Fabiane Secches
Imagens

Victória Lobo

3 min. tempo de leitura
Share on twitter
Share on pinterest
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Os livros são aliados sempre importantes, mas podem se tornar amigos ainda mais preciosos em momentos agudos de crise, como o que estamos vivendo.

Para lê-los, precisamos nos afastar, ainda que temporariamente, do ruído e da velocidade das redes sociais para então apreciar a lentidão de suas páginas, com reflexões que tratam direta e indiretamente, mas quase sempre de forma mais aprofundada, dos dilemas que vivemos. Algumas obras contemporâneas podem nos ajudar a pensar criticamente sobre questões próprias do nosso próprio, dizendo respeito ao nosso modo de vida atual — historicizando essas questões, mas também tomando cuidado de atualizá-las.

Em janeiro começamos a fazer uma série de recomendações para quem quer buscar leituras de mais fôlego, que possam dar ensejo a transformações mais consistentes e efetivas. Na primeira parte, indicamos livros de Ailton Krenak, Davi Kopenawa e Philippe Descola. Na segunda parte, livros de Maria Esther Maciel, Byung-Chul Han, Deborah Danowski e Eduardo Viveiros de Castro. Esta é a terceira parte de uma lista que ainda pretendemos continuar, incluindo Anna Tsing, Donna Haraway, Gersem Baniwa, Jonathan Safran Foer, Maria Aparecida Vilaça, Yuval Harari e mais.

1) A cosmopolítica dos animais, de Juliana Fausto, editora n-1 + hedra.

“A cosmopolítica dos animais é, ao mesmo tempo, a mais importante contribuição filosófica brasileira aos animal studies e uma obra ímpar de filosofia política. Ao colocar a pólis, em suas diversas configurações históricas, sob a perspectiva dos animais não-humanos, Juliana Fausto abre um novo horizonte cósmico para a imaginação política. Entretecendo com maestria fatos, histórias, experiências, conceitos e ideias hauridas das mais variadas fontes, a autora nos faz experimentar um mundo (por vir?) em que nós humanos teremos finalmente concidadãos de nossas ‘espécies companheiras’”.

Essa é a apresentação que ocupa a contracapa do livro de Juliana Fausto publicado em 2020, fruto de sua pesquisa de doutorado na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ). Entre os agradecimentos, Fausto destaca pesquisadores do Laboratória do Bem-Estar Animal (LABEA) da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Junto com o livro de Maria Esther Maciel que já indicamos aqui — Literatura e animalidade —, esse é um trabalho que se propõe a pensar com profundidade na relação que nós, seres humanos, estabelecemos com outros animais, reflexão que se torna cada vez mais urgente.

2) Mulheres, raça e classe, de Angela Davis, editora Boitempo, tradução de Heci regina Candiani.

“A intersecção entre feminismo, antirracismo e luta de classes pelos olhos da filósofa e ativista Angela Davis, na obra que se tornou uma referência da literatura sobre os direitos civis”. Junto com essa apresentação, a contracapa do livro traz dois comentários sobre o livro. O primeiro é de Judith Butler: “Angela Davis reúne em palavras lúcidas nossa história luminosa e o mais promissor futuro de liberdade”. O segundo, de Djamila Ribeiro: “Angela Davis alia de forma brilhante academia e militância, trazendo um potencial revolucionário. Ler sua obra é tarefa essencial para quem pensa num novo modelo de sociedade”.

Davis é filósofa, professora emérita do Departamento de Estudos Feministas da Universidade da Califórnia e ícone da luta pelos direitos civis. Quando muitas pessoas ainda insistem em separar as “causas” em caixinhas apartadas, ela tem incentivado um debate que as considera em suas singularidades e importâncias, mas também reconhece a complexidade que as relaciona, considerando os atravessamentos existentes — o que costuma ser chamado de “interseccionalidade”. Dela, também recomendamos Uma autobiografia, também publicada pela editora Boitempo.

3) Diante de Gaia: oito conferências sobre a natureza no Antropoceno, de Bruno Latour, editora Ubu, tradução de Maryalua Meyer.

“Bruno Latour é categórico: ‘Ou mantemos as condições que tornam a vida habitável para todos, ou então não merecemos continuar vivendo’. Se na mitologia grega Gaia era a personificação divina da Terra, aqui o antropólogo propõe tomá-la como um planeta vivo em sua totalidade: animais (humanos inclusive), plantas e minerais, assim com suas ações e reações — uma força ao mesmo tempo mítica, científica, política e religiosa. Ao longo de oito conferências, Latour se lança contra o negacionismo climático e nos convoca a encarar Gaia e a pensar os impasses e saídas para os problemas ecológicos da atualidade”.

Assim diz a contracapa do livro, uma antologia de oito ensaios (conferências) que discutem temas de importância incontestável para a atualidade. No prefácio à edição brasileira, datado de maio de 2020, Latour escreve: “É um tanto aterrorizante publicar o livro Diante de Gaia no Brasil, em meio a uma crise moral, política, sanitária, ecológica e religiosa de tamanha proporção. Parece que este livro chega no meio daquilo que os meteorologistas chamam de ‘tempestade perfeita’, isto é, a sobreposição de todas as crises ao mesmo tempo”.

* * *

Jornalismo ecofeminista a favor da justiça socioambiental e climática

Para continuar fazendo nosso trabalho de forma independente e sem amarras, precisamos do apoio financeiro da nossa comunidade. Se junte a esse movimento de transformação.