O Que Acontece Quando Uma Gigante do Petróleo Patrocina Uma Exposição Sobre Crise Climática

No dia em que o Museu da Ciência de Londres abriu sua mais recente exposição sobre mudança climática, em maio, um grupo de cientistas do grupo de ativistas climáticos Extinction Rebellion se trancaram dentro do local como forma de protesto. A queixa? A mostra, intitulada “Nosso Planeta Futuro”, que destaca a promessa de tecnologias para sugar o dióxido de carbono do ar ou de chaminés industriais, foi patrocinada pela gigante do petróleo e gás Shell-Mex and BP.

O patrocínio gerou protestos quando foi anunciado em abril. “Condenamos a decisão do Museu da Ciência de aceitar este patrocínio e fornecer à Shell a oportunidade de uma lavagem verde descarada”, escreveu a Rede de Clima de Estudantes do Reino Unido em uma carta aberta na época. O diretor do Grupo do Museu da Ciência defendeu a exposição e o patrocínio, dizendo “mantemos o controle editorial”.

Mas na quinta-feira, novas evidências surgiram mostrando que o dinheiro que a Shell ofereceu para a exibição não era incondicional. Culture Unstained, um grupo ativista cujo objetivo é “acabar com o patrocínio da cultura pelos combustíveis fósseis”, obteve o contrato de patrocínio da Shell com o Museu da Ciência sob as leis da lei de liberdade de informação. O contrato estipula que o museu não pode realizar qualquer ação que possa ser considerada “como desacreditando ou prejudicando a boa vontade ou a reputação do patrocinador”.

As empresas de combustíveis fósseis são patrocinadores regulares de exposições em museus e instituições culturais em geral, mas suas doações têm sido submetidas a um maior escrutínio nos últimos anos. Os ativistas do Reino Unido têm feito protestos regulares no Museu Britânico nos últimos anos, exigindo o fim de seu relacionamento de longa data com a BP. Os críticos argumentam que permitir que empresas como a BP coloquem seus logotipos nas paredes de museus eleva seu status na sociedade, perpetua sua licença social para operar e potencialmente influencia as decisões curatoriais.

Publicidade

É claro o que a Shell teve a ganhar no caso da exposição “Nosso Planeta Futuro”. A exposição centra-se em tecnologias que empresas de petróleo e gás como a Shell dizem que lhes permitirão continuar vendendo combustíveis fósseis ao mesmo tempo que reduzem suas emissões. A exposição estará aberta até o outono, quando milhares de líderes políticos de todo o mundo passarão pelo Reino Unido para participar da conferência anual das Nações Unidas sobre o clima. Como observou Kate Yoder, do Grist, em uma história de 2019 sobre o relacionamento da indústria do petróleo com os museus, “a filantropia não é apenas uma avenida para dignificar fortunas – também pode servir como uma tentativa de influenciar para onde a sociedade está se dirigindo”.

Os visitantes começam a exposição “Nosso Planeta Futuro” com uma viagem pelas “formas mais antigas de tecnologia de captura de carbono: árvores e plantas”, de acordo com uma postagem promocional no site do Museu da Ciência. Em seguida, eles encontram uma árvore mecânica desenvolvida por Klaus Lackner, professor da Universidade Estadual do Arizona e pioneiro na tecnologia que captura carbono diretamente do ar. Mais tarde, eles aprendem sobre as tentativas de capturar dióxido de carbono na poeira de rocha, uma abordagem chamada meteorização aprimorada. Finalmente, os visitantes do museu são apresentados a métodos para capturar o carbono do gás de combustão de usinas de energia que queimam combustíveis fósseis e plantas industriais, junto com produtos que podem ser produzidos com esse CO2 capturado, como concreto, tapetes de ioga e vodka.
 

Permitir que empresas como a BP coloquem seus logotipos nas paredes de museus eleva seu status na sociedade, perpetua sua licença social para operar e potencialmente influencia as decisões curatoriais


 
Organismos internacionais de pesquisa como o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas e a Agência Internacional de Energia dizem que esse tipo de solução será necessária para estabilizar o clima. Mas as tecnologias ainda são incipientes e não está claro se elas se tornarão comercialmente viáveis ou em que escala. Cientistas que apóiam a captura e remoção de carbono alertam que não devem ser vistos como um substituto para o corte rápido de emissões com as tecnologias que temos hoje.

A Shell se comprometeu a zerar emissões até 2050, mas seu plano é continuar vendendo petróleo e gás, dependendo fortemente da captura e armazenamento de carbono, bem como das chamadas soluções baseadas na natureza, como o plantio de árvores, para compensar suas emissões. Em maio, um tribunal holandês decidiu que os planos da Shell não estavam em linha com o Acordo de Paris e ordenou que a empresa cortasse as emissões mais rapidamente. A Shell está apelando do veredicto.

Uma exposição de museu que ensina as pessoas sobre a captura e remoção de carbono pode ser vista como uma coisa boa, uma vez que a pesquisa mostrou que o público ainda está muito confuso sobre o que esses termos significam. Mas espero que também convide os visitantes a pensarem sobre os riscos e desafios dessas soluções, além de suas promessas. Eu não fui à exposição, mas um crítico que escreveu na revista New Scientist concluiu: “a exposição na maioria das vezes consegue o equilíbrio certo entre pessimismo e otimismo, embora pudesse ter ido mais longe ao mostrar o quão caro e em pequena escala essa tecnologia é”.

Um porta-voz da Shell disse ao Channel 4 News: “respeitamos totalmente a independência do museu. É por isso que sua exposição sobre captura de carbono é importante e porque a apoiamos. O debate e a discussão – entre quem os vê – são essenciais”.

Pelo que vale a pena, em uma postagem no blog do site do museu, o consultor da exposição Bob Ward disse que o mundo enfrenta uma “tarefa urgente” para reduzir as emissões e que “isso significará uma mudança fundamental dos combustíveis fósseis como nossa fonte primária de energia”. Ward reconhece que há grandes incertezas em torno das soluções apresentadas na exposição e a preocupação de que contar com elas possa reduzir a ambição de cortar emissões mais rapidamente. Mas ele acrescenta que “é mais provável que façamos uma transição rápida e ordenada para uma economia de carbono zero se as empresas de petróleo desempenharem um papel genuinamente comprometido e ativo”.

Texto escrito por Emily Potecorvo. Artigo originalmente publicado em The Grist e traduzido com permissão para o Modefica sob licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Conheça e faça parte do Clube Modefica!
O Modefica é uma mídia independente que pensa moda, arte, alimentação e política para resiliência social e ecológica. Para manter nosso conteúdo aberto e acessível para todas as pessoas, nós precisamos da sua colaboração.
Gostou desse texto? Clique aqui e contribua com o Clube Modefica e ajude nosso conteúdo ir mais longe para amplificar a transformação positiva.
Gostou dessa matéria? Compartilhe.
Tags

.