Lições Climáticas da Pandemia: Coronavírus Antecipou o Futuro de Um Planeta Em Crise

Escrito por Sharon Zhang, originalmente publicado no Truthout e traduzido com autorização para o Modefica.

A pandemia do COVID-19 foi rapidamente absorvida em nossa consciência coletiva, refazendo as estruturas de nossas vidas. De repente, milhões estão se abrigando em casa, estranhos começaram a desejar uns aos outros que fiquem bem ao sair de supermercados, as pessoas pararam de tocar seus rostos e prateleiras que normalmente são estocadas com alvejante e desinfetante para as mãos estão vazias.

Para muitos, a sensação iminente de pavor é uma nova sensação.

“Algumas vezes por dia, eu me distraio o suficiente para esquecer que tudo mudou, uma boa parte de forma improvável de retornar quando a pandemia retroceder”, escreveu Amanda Mull para o The Atlantic. “Então, eu me lembro e volto à vertigem psicológica, tentando reprimir uma mistura de ansiedade, terror e desorientação tão profunda que mal consigo me lembrar do que eu deveria estar fazendo de um minuto para o outro. O medo da peste nunca sai por muito tempo”.

Publicidade

Mas para aqueles de nós que vivem com uma consciência aguda da realidade da crise climática, o estado atual de pandemia parece terrivelmente familiar – apenas uma versão mais iminente do pavor sobre o clima que estamos sentindo há anos.

É um fenômeno psicológico conhecido informalmente na comunidade climática como ansiedade climática, tristeza climática ou eco-ansiedade. Em 2017, a Associação Americana de Psicologia divulgou um relatório que, em parte, detalhava a psicologia por trás desse sentimento. “Seja experimentado de forma direta ou indiretamente, os agentes estressores do nosso clima se traduzem no enfraquecimento da saúde mental que podem resultar em depressão e ansiedade”, diz o relatório.

Embora o pânico pandêmico em que Mull e outros tenham escrito esteja acontecendo desde as últimas semanas, os autores climáticos começaram a se abrir sobre sua tristeza climática anos atrás. “Eu lutei contra a depressão, a raiva e o medo… Luto pelo planeta e por todas as espécies que vivem aqui, e continuo a fazê-lo enquanto trabalho hoje”, escreveu Dahr Jamail para Truthout. “Em algum nível, estou pensando em mudanças climáticas o tempo todo”, escreveu Ellie Mae O’Hagan para a Vice.

Em 2017, em um tópico que estimulou uma série de ensaios sobre o luto climático de várias fontes, o escritor climático Eric Holthaus twittou que estava começando a fazer terapia e disse: “Há dias em que eu literalmente não consigo trabalhar. Eu leio uma história e me desligo pelo resto do dia. Nada ajuda muito além do exercício e do tempo”. Parafraseando Mull: o pavor climático nunca deixa por muito tempo.

Mas não é apenas o trauma psicológico que essas duas crises compartilham – se você parar para olhar, as semelhanças são amplas e profundas. São crises mundiais gêmeas que exigem cooperação global para serem derrotadas; elas devastarão o modo de vida como conhecemos; elas afetarão, de uma maneira ou de outra, quase todas as pessoas na Terra.

A economia como a conhecemos – ou melhor, como a conhecíamos há três meses – será coisa do passado se deixarmos que a crise climática continue sem mitigações. Agora, os economistas preveem um declínio de 12 a 14% no produto interno bruto dos Estados Unidos devido ao COVID-19. E, embora as linhas do tempo sejam diferentes, os declínios são semelhantes: os dois problemas tirarão grandes pedaços da nossa economia. Em 2018, os pesquisadores que escreveram o relatório da Agência Nacional do Clima (NCA) daquele ano previram que o PIB americano encolheria de 10 a 11% até 2100 sob um cenário de altas emissões (ou o business as usual, aos olhos de alguns).

São crises mundiais gêmeas que exigem cooperação global para serem derrotadas; elas devastarão o modo de vida como conhecemos; elas afetarão, de uma maneira ou de outra, quase todas as pessoas na Terra

Os economistas estão atualmente lutando para modelar todos os efeitos a curto prazo da pandemia, então, muitos deles permanecem desconhecidos. Pesquisadores do clima, no entanto, tiveram muito mais tempo para modelar os futuros impactos econômicos da crise climática. Até 2090, somente nos Estados Unidos e no mesmo cenário de altas emissões, os pesquisadores da NCA prevêem que os custos de mortalidade devido a temperaturas extremas totalizarão R$ 739 bilhões por ano, as perdas de propriedades costeiras totalizarão R$ 618 bilhões por ano e as perdas de mão-de-obra custarão R$ 812 bilhões por ano. Isso é equivalente a um furacão Katrina todos os anos, apenas devido à perda de mão-de-obra.

O sistema de saúde também ficará sobrecarregado pela crise climática, assim como os leitos hospitalares estão sendo rapidamente preenchidos por pacientes com COVID-19. Em alguns lugares, a crise climática já deu uma prévia disto: em 2018, ondas de calor recorde fizeram com que os hospitais do Reino Unido utilizassem procedimentos de emergência quando as pessoas estavam sendo enviadas para o hospital em um volume tão grande que as ambulâncias tiveram que se alinhar do lado de fora.

Embora o COVID-19 esteja fazendo com que os hospitais se encham simultaneamente em todo o país, “os eventos relacionados ao clima serão mais limitados em sua escala espacial, mas serão cada vez mais frequentes ao longo do tempo”, diz Kristina Dahl, cientista climática sênior da Union of Concerned Scientists. Uma onda de calor em São Francisco não incendiará todo o país, mas poderá sobrecarregar o sistema de saúde local.

A principal diferença entre a doença causada por uma pandemia e a crise climática, observa Dahl, é que é muito mais fácil rastrear a doença causada pela primeira. “Coisas como furacões, ondas de calor e incêndios florestais sempre ocorreram”, diz ela, mas, “até certo ponto, sabemos que as estamos ampliando ao adicionar gases de efeito estufa à atmosfera”.

Isso é provável, em parte, por que o governo federal rapidamente entrou em ação no COVID-19, enquanto os gases de efeito estufa permaneceram praticamente intocados pelo Congresso por décadas. Embora a mídia e os políticos de direita tenham negado as conseqüências da inação sobre o vírus há apenas algumas semanas, eles rapidamente tiveram que mudar de tom à medida que a disseminação do vírus se tornou inegável. Considerando o longo prazo, com mudanças graduais, é fácil para negadores culpar certas coisas como a severidade dos incêndios da Austrália em qualquer coisa menos nas condições cada vez mais quentes e áridas causadas pelas mudanças climáticas.

A classe dominante também teve menos motivação para enfrentar a crise climática, porque as pessoas que mais sofrem já são, desproporcionalmente, marginalizadas. Pessoas pobres, negras e com saúde comprometida são e serão as mais afetadas pelas duas crises – e algumas já estão sendo por ambas ao mesmo tempo. A poluição do ar é continuamente uma das questões mais pronunciadas da justiça ambiental, e os médicos disseram que aqueles com exposição contínua à poluição do ar provavelmente serão mais vulneráveis aos efeitos do coronavírus.

Publicidade

Seria sensato a nossa sociedade permanecer consciente de que, se nossa resposta durante a pandemia do COVID-19 for abordada de maneira correta, a sobreposicao das duas questões pode significar que medidas de alívio para a pandemia possam ajudar a sociedade a se preparar ou até mitigar a crise climática. Contas hospitalares astronômicas para pacientes do COVID-19 sem planos de saúde requerem políticas como Medicare for All; uma resposta lógica às próximas demissões em massa é uma garantia de empregos verdes ou um pacote de estímulo verde.

A classe dominante também teve menos motivação para enfrentar a crise climática, porque as pessoas que mais sofrem já são, desproporcionalmente, marginalizadas. Pessoas pobres, negras e com saúde comprometida são e serão as mais afetadas pelas duas crises - e algumas já estão sendo por ambas ao mesmo tempo

O jornalista ambiental da Vox, David Roberts, escreveu recentemente que “a lógica moral do coronavírus, se estivermos dispostos a prestar atenção, leva a mais socialismo”. O coronavírus, como o clima, não é apenas uma crise singular – trata-se de múltiplas crises, empilhadas umas sobre as outras, tudo de uma vez.

“O coronavírus deixou tão claro que os problemas globais não podem ser facilmente classificados como apenas um problema de saúde ou apenas um problema ambiental”, diz Dahl. “Eles realmente abrangem nossa economia mais ampla e abrangem todo um sistema social e modo de vida”. Embora Dahl não esteja confiante de que a pandemia se traduza em um amplo entendimento público da escala da resposta global necessária para a crise climática, ela espera que pelo menos compreendam algumas lições importantes.

“Ele (Coronavírus) realmente destacou algumas maneiras nas quais nossa sociedade não está funcionando, particularmente para pessoas em grupos vulneráveis”, diz Dahl.

Texto escrito por Sharon Zhang. Artigo originalmente publicado no Truthout e traduzido com autorização para o Modefica. Leia o artigo original aqui.

Conheça e faça parte do Clube Modefica!
O Modefica é uma mídia independente que pensa moda, arte, alimentação e política para resiliência social e ecológica. Para manter nosso conteúdo aberto e acessível para todas as pessoas, nós precisamos da sua colaboração.
Gostou desse texto? Clique aqui e contribua com o Clube Modefica e ajude nosso conteúdo ir mais longe para amplificar a transformação positiva.
Gostou dessa matéria? Compartilhe.
Tags

. .